Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt e convidados sobre política, cultura e economia

06 dez

“Legado” social do Tempo Novo é o aumento da pobreza em Goiás, mostra pesquisa do IBGE publicada em O Popular: cresceu o número de pessoas que vivem com menos de R$ 7,35 reais por dia

Mais pessoas passaram a viver em situação de pobreza extrema em Goiás no ano passado, ou seja, viviam com até US$ 1,9 (R$ 7,35) por dia apenas. Eram 264,3 mil pessoas (3,9% do total) nesta condição no Estado em 2017, contra 234,2 mil (3,5%) em 2016. Os números estão em uma pesquisa do IBGE, publicada nesta quinta-feira em O Popular (veja o gráfico acima).

 

É claro que o desemprego e a falta de oportunidades tiveram influência decisiva no crescimento estadual da pobreza, mas é fácil concluir que as políticas compensatórias do governo do Estado, tipo Renda Cidadã, por exemplo, que paga R$ 100 reais por mês a pessoas carentes, deixaram de funcionar e não ajudam mais quem vive em situação de vulnerabilidade social.

 

Os projetos sociais articulados nos últimos 20 anos pelo Tempo Novo do ex-governador Marconi Perillo, se foram modernizantes e eficazes no início, caíram na inocuidade com o passar do tempo – repetitivos, não foram capazes de acompanhar a evolução econômica e social do Estado, que, como se vê, gerou aumento da pobreza.