Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

09 jan

Plano B dos deputados rebeldes, que querem “zerar a Assembleia, é lançar a candidatura de um parlamentar do PROS e derrotar Álvaro Guimarães, que eles vêem comprometido com a “velha política”

Melhorou e muito a cotação da candidatura de Álvaro Guimarães para a presidência da Assembleia, com o acordo que ele fez para garantir os seis votos da futura bancada do PROS (Rubens Marques, Cairo Salim e Vinícius Cirqueira, já no partido, e Rafael Gouveia e Wagner Neto, que vão se filiar, juntamente com Karlos Cabral, integrado ao bloco, mas ainda sem saber se vai deixar o PDT), mas daí a concluir que a parada está resolvida vai uma distância muito grande.

 

E especialmente diante do plano B dos deputados que defendem uma limpeza geral no Poder, que, segundo eles, deve ser “zerado” com a eliminação das influências do ex-governador Marconi Perillo e dos últimos ex-presidentes, que ainda deteriam o controle de contratos, de diretorias e da nomeação de fatias de funcionários comissionados. Esse discurso tem alto poder de convencimento, já que implicaria na redistribuição dessas regalias entre os próprios 41 deputados que compõem a Assembleia, e representa uma ameaça muito forte para a candidatura de Álvaro Guimarães.

 

O plano B é a retirada da candidatura do Dr. Antônio e o lançamento de um nome escolhido dentre os seis parlamentares da bancada potencial do PROS. Isso traria os votos do grupo, que se somariam aos 16 já articulados e levaria a uma maioria de 22 votos, suficiente para definir a fatura – infelizmente com a derrota de Álvaro Guimarães. Um problema – e grave – a resolver é a preferência do governador Ronaldo Caiado por Álvaro, que ele tem assumido ostensivamente em detrimento de uma posição de distanciamento dos assuntos internos do Legislativo, aparentemente a mais aconselhável a qualquer chefe de Executivo.

 

Há uma tendência – a favor de Álvaro Guimarães, mas não uma certeza de que ele está com o caminho livre até a presidência da Assembleia.