Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

09 abr

Fim da foto oficial do governador nas paredes das repartições estaduais é a primeira medida de Caiado que realmente representa a mudança que prometeu e agora é de se supor que virão mais

Embora ainda sem confirmação, tudo indica que o governador Ronaldo Caiado decidiu banir o costume de pendurar a foto oficial do governante do Estado nas paredes das repartições públicas. Em substituição, será recomendado que se coloque apenas uma bandeira de Goiás, simbolizando a impessoalidade da administração e o fim de um culto à personalidade nocivo para a cidadania.

 

Trata-se da primeira medida de Caiado que realmente traz a mudança que ele prometeu para ganhar os votos dos goianos e se eleger em 1º turno com diferença monumental em relação aos concorrentes. Até agora, a nova gestão vinha caminhando em ritmo de feijão com arroz, com tão poucas novidades que até já se chegou a compará-la ao que hipoteticamente seria o governo de Zé Eliton, caso este tivesse vencido a eleição.

 

Mudança política e administrativa só existe quando os padrões de sempre são derrubados e parâmetros inovadores introduzidos. Acabar com fotografias de governantes nos espaços do poder público é um avanço que já vem tarde, nem tanto pela economia de palitos que significa, mas pelo que configura para a superação de um passado que precisa ficar para trás.

 

Faltam, agora, as medidas substanciais de mudança que Caiado está hesitando em adotar. Uma reforma administrativa capaz de extinguir órgãos, privatizar, fulminar o desperdício e racionalizar o Estado – para que servem emissoras de rádio e televisão, laboratório de remédios, Celg Telecomunicações, companhia de gás ou Goiásparcerias? Para nada. E como tirar o Estado da crise financeira sem mexer com o vespeiro dos incentivos fiscais, que privilegiam 600 empresas e drenam a arrecadação tributária? E por que não proibir de vez qualquer tipo de publicidade institucional, permitindo-se apenas a de cunho educativo e informativo?

 

Se Caiado quiser fazer de verdade a mudança que prometeu, não existe outro rumo.