Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

11 jul

Voto emblemático a favor da reforma da previdência que mostraria força de Caiado junto a bancada federal de Goiás era o de Flávia Morais. Mas ela foi contra e acabou enfraquecendo o governador

Dos 17 deputados da bancada federal de Goiás, 14 votaram a favor da reforma da previdência e apenas três disseram não. Era previsível que Rubens Otoni, do PT, e Elias Vaz, do PSB, ficassem contra, alinhando-se ao que se esperava da esquerda na Câmara. Mas não a deputada Flávia Morais, do PDT. Primeiro, ideologicamente, ela está longe de posições radicais. E, segundo, ela integra a base do governador Ronaldo Caiado, de onde seria de se supor que ela estaria no alvo para uma conversa ou de algum tipo de articulação para se definir pela maioria e aprovar a reforma da previdência.

 

Não aconteceu nada disso. Flávia Morais, dessa vez, resolveu acompanhar o fechamento de questão da liderança do PDT, seu partido, que impôs o voto contra. Só que esse instrumento – o fechamento de questão – tem pouca eficácia. Tanto que oito parlamentares pedetistas aprovaram a reforma. E vale lembrar que, no impeachment da presidente Dilma Rousseff, o PDT também fechou questão contra, mas Flávia Morais não obedeceu e se posicionou a favor.

 

Caiado, se realmente estivesse empenhado em dar o seu apoio ao projeto do presidente Jair Bolsonaro, além das meras declarações de intenção, poderia ter atraído o voto da deputada. Mais que todos os 14 que aprovaram a matéria, era ela quem definiria o real empenho do governador, se houvesse. Mas, não. De resto, não há notícia de que Caiado tenha se movimentado para obter votos para a reforma, inclusive, dado ao seu aclamado cacife nacional, ajudando a convencer deputados de outros Estados. Ele não fez nada disso.