Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt e convidados sobre política, cultura e economia

21 maio

Vitti é amigo, correto, leal, responsável, comedido e mais um sem número de adjetivos positivos. Porém, é um presidente que reduziu a Assembleia à condição de Poder inútil e sem importância

Depois de um momento de dúvida e ansiedade, o presidente da Assembleia, José Vitti, fez exames em São Paulo e voltou com um diagnóstico favorável para os seus possíveis problemas de saúde.

 

Não é nada grave.

 

Grave foi o que Vitti fez com a Assembleia, na sua gestão: esvaziou o Poder até chegar a uma condição de completa inutilidade e falta de importância. Foram-se os tempos em que o Legislativo goiano viveu dias de glória como o principal centro da articulação política no Estado – nos anos em que a Presidência esteve com Jardel Sebba e Helder Valin.

 

Hoje, quem liga para o que acontece na Assembleia?

21 maio

Com a igreja lotada na missa de abertura das Cavalhadas de Jaraguá, Caiado é ovacionado depois de ser abençoado por padre que pede “políticos íntegros e honestos” para o país. Veja o vídeo

Ao participar da missa de abertura das Cavalhadas, na igreja matriz de Jaraguá, que estava lotada, o senador Ronaldo Caiado foi ovacionado ao ser mencionado durante o sermão do padre celebrante, neste domingo.

 

O religioso concedeu suas bênçãos a Caiado e ressaltou que “para enfrentar a situação atual, o país precisa de políticos íntegros e honestos”. Vieram os demorados aplausos e Caiado se levantou para agradecer.

 

Ele estava acompanhado pelo senador Wilder Morais. Confira o vídeo, postado no Stories do perfil de Ronaldo Caiado no Instagram.

20 maio

Cavalhadas de Pirenópolis: no quintal de Marconi, Caiado divide as atenções com Zé Eliton, com a vantagem de ter ao seu lado o prefeito João do Léo, que é do DEM

As festividades das Cavalhadas de Pirenópolis, tradicionalmente, servem de pano de fundo para manifestações acaloradas a favor do político historicamente mais identificado com a cidade – Marconi Perillo, que, dessa vez (este domingo), não apareceu em razão de se encontrar em uma misteriosa viagem à Ásia.

 

O sucessor de Marconi, o governador Zé Eliton, apareceu no cavalhódromo para prestigiar o evento, mas foi surpreendido por uma outra presença inusitadamente muito bem recebida: o senador Ronaldo Caiado, que foi fazer campanha no terreiro dos adversários.

 

Caiado levou a vantagem de ser recebido pelo prefeito João do Léo, do DEM, figura popular em Pirenópolis, que costumar chamar Marconi de “coronel”.(As 2 acima fotos são de hoje, domingo, lá em Pirenópolis).

20 maio

Caiado avança no posicionamento da sua candidatura a governador e dá um passo importante: universaliza o seu nome, que não pode mais ser identificado só como representante dos ruralistas

O senador Ronaldo Caiado avança sem parar. Ele, de um modo muito natural, conseguiu universalizar o seu nome, superando a forte identificação que sempre teve com a defesa dos interesses dos ruralistas.

 

Vamos ver a agenda do candidato democrata só na semana passada: esteve com associações de policiais civis e militares, reuniu-se com os empresários da Adial, participou de uma convenção de médicos (onde fez uma palestra), foi recebido sem sessão pelo Conselho Regional de Contabilidade e ainda teve tempo para visitar a ministra Rosa Weber, no Supremo Tribunal Federal, para defender a manutenção dos incentivos fiscais a empresas goianas. De quebra, não passou um único dia sem se reunir com prefeitos e delegações dos municípios.

 

O que é que isso tem a ver com os ruralistas? Nada. Caiado age corretamente ao mesclar os interesses que devem agregar a sua base de sustentação e o seu discurso como candidato a governador. É obvio o que ele quer: sintonia com a amplitude da sociedade e não com segmentos. E parece estar sendo bem sucedido.

20 maio

Antes de abandonar a base governista e se filiar ao DEM, Iso Moreira teve conversa sigilosa com Marconi e ouviu que, se Zé Eliton não deslanchar, candidato pode ser Otavinho Lage

O blog apurou uma conversa sigilosa, na fazenda de Pirenópolis, entre o deputado estadual Iso Moreira e o ex-governador Marconi Perillo, alguns dias antes da filiação de Iso ao DEM e sua adesão à candidatura de Ronaldo Caiado.

 

Depois de ouvir as reclamações do deputado sobre a interferência do governador Zé Eliton nas suas bases eleitorais (com o lançamento de um candidato à Assembleia ligado ao pai de Zé Eliton), no nordeste goiano, Marconi lamentou a situação, disse que nunca fez esse tipo de ingerência nefasta para manipular colégios eleitorais dos parlamentares e pediu um prazo para tentar resolver a questão – obtendo de Iso o compromisso de que ele poderia até sair do PSDB, mas permaneceria na base, ou no PSD ou no PR.

 

Marconi assegurou ainda que Zé Eliton tinha até 60 dias antes da eleição para viabilizar a sua candidatura, caso contrário estaria no gatilho a candidatura de Otavinho Lage (cogitou também o nome de Jalles Fontoura, irmão de Otavinho, que, na época, ainda poderia de desincompatibilizar da Saneago). O ex-governador lembrou o fiasco da candidatura de Roberto Balestra, em 1998, e o sucesso do fato novo da sua própria candidatura, a pouco mais de 60 dias da eleição.

 

Iso foi embora determinado a aguardar o retorno de Marconi e a permanecer na base, embora não no PSDB. Passaram-se os dias e nada. Marconi não deu sinal de vida. O deputado decidiu-se: filiou-se ao DEM, passou a trabalhar intensamente pela candidatura de Ronaldo Caiado e, para senador, sentiu-se desobrigado do compromisso de apoiar Marconi para o Senado.

20 maio

Existe continuidade sem continuísmo? Na política, não. Os 20 anos do governo do Estado sob a influência direta e indireta de Marconi provam que, em mandatos sucessivos, tudo acaba sendo mais do mesmo

O presidente do PSD Vilmar Rocha levanta, em O Popular, uma tese que tem a ver com as próximas eleições: segundo ele, a candidatura do governador Zé Eliton representa o continuísmo, o que seria negativo, ao passo que, se fosse uma questão de continuidade (“Nas sociedades democráticas os avanços são por acumulação e não por ruptura”, defende), não haveria problema, porque essa pode ser benéfica.

 

Vilmar está errado. Na política, não há diferença entre continuidade e continuísmo. Veja a prova, leitor: em 20 anos do governo sob a influência direta ou indireta de Marconi Perillo, foi gerado um estado de coisas que perpetua uma elite no poder e um “modus operandi”, hoje mais do que caduco, da administração. As gestões, na era Marconi, foram de continuísmo desavergonhado, tal qual os 16 anos de Iris Rezende/PMDB. Em cada período, tudo foi sempre uma sequência infindável de mais do mesmo, do ponto de vista político e às vezes administrativo. E, entre uma e outra época, grande parte do avanço experimentado por Goiás, ao contrário do que Vilmar entende, ocorreu em decorrência da ruptura.

 

É apenas questão de manejar as palavras, porque o significado é um só. Se alguém quiser agradar o governador Zé Eliton, e só dizer que o seu mandato-tampão e o projeto de reeleição são de continuidade. Se não tiver essa intenção, basta rasgar a cortina e afirmar que não passam de continuísmo, sem medo de errar.

20 maio

Críticas de Vilmar a Zé Eliton são duríssimas e representam ataque pior que os lançados pela oposição. Ele sugere que o governador “não é uma pessoa qualificada”

São duríssimas as críticas lançadas neste domingo pelo presidente do PSD Vilmar Rocha (em O Popular), a propósito do  governador Zé Eliton e sua candidatura à reeleição. Confira, leitor, e veja se isso não é pior do que tudo que a oposição vem dizendo:

 

1 – “O governador José Eliton não condiz com o perfil do político que a população goiana quer ver comandar o Estado”.

 

2 – “O goiano não quer continuísmo. Quer mudança e renovação para valer mesmo. O mote ‘Novo Tempo Novo’ de Zé Eliton, (referência ao slogan da primeira campanha de Marconi), é retórica, é um projeto de continuísmo. No geral, vai continuar a mesma coisa, é só uma maquiagem”.

 

3 – “O perfil do candidato da base deveria ser um nome da sociedade, novo, uma pessoa qualificada, identificada conosco, que a gente lançasse e todos apoiassem”.

 

4 – “Às vezes, fico até politicamente isolado na nossa base, mas a médio e longo prazos, muita gente vai me dar razão. Ainda há tempo para mudar a estratégia da base”.

20 maio

Vídeo de propaganda do governo mostra Zé Eliton de táxi, com motorista sem o cinto de segurança. É um detalhe sem importância? Não, é um mau exemplo, pela falta de segurança e pelo desrespeito à lei

Um descuidado vídeo de propaganda do governo do Estado, a propósito do lançamento, na semana passada, do programa Go Táxi, um aplicativo que tentará reduzir o uso de carros oficiais pelos funcionários públicos e diminuir as despesas com locomoção, mostra o governador Zé Eliton no banco traseiro de um carro em movimento, cujo motorista não está usando o cinto de segurança.

 

O veículo é um dos táxis que participam do programa, convocados a participar de uma cerimônia na Praça Cívica para fazer imagens da apresentação do aplicativo.

 

Corretamente, Zé Eliton aparece usando o cinto de segurança, mesmo estando no banco traseiro. Ele conversa com o motorista, mas não o alerta sobre a falha – usar o dispositivo é exigência legal e medida de proteção para todos que seguem no veículo.

 

Um dos auxiliares do governador, o jornalista Jarbas Rodrigues (ex-coluna Giro, de O Popular), abre a porta, no início do vídeo, para Zé Eliton embarcar, mas também não faz nenhuma advertência ao motorista ou então não notou que ele não usava o cinto de segurança.

 

É um mau exemplo, ainda mais vindo do poder público. Confira o vídeo.

 

19 maio

Em vez de comemorar, como fez ao tentar transformar uma expectativa de 49,9% de que fará uma boa gestão em aprovação, Zé Eliton deveria colocar as barbas de molho com o seu índice de rejeição: 44,1%

A pesquisa Grupom/Diário da Manhã perguntou aos seus 861 entrevistados em 41 municípios: “Na eleição para governador, em quem você não votaria de jeito nenhum?”.

 

Um disco com os nomes mais falados até agora foi apresentado. Resultado: 44,1% disseram que, em Zé Eliton, não votariam de jeito nenhum.

 

Ele só perdeu para a candidata do PT, Kátia Maria, rejeitada por  44,6% dos eleitores ouvidos.

 

O que significa tudo isso? Que Zé Eliton já é conhecido do eleitorado, que sabe da sua identificação com os governos que vêm desde 20 anos atrás. (Ora, direis, Kátia Maria é evidentemente desconhecida, e mesmo assim foi mais rejeitada que Zé Eliton; sim, mas ela foi apresentada na pesquisa como candidata do PT, o que explica a sua violenta rejeição).

 

Pela pesquisa, podemos concluir que quase metade dos goianos não vota em Zé Eliton. É muito. Muito mesmo. Talvez uma verdadeira e intransponível muralha.

19 maio

Depois de prejudicar o filho Daniel com declarações estapafúrdias sobre um hipotético diálogo do MDB com o PSDB, Maguito some. E ele não pode ser candidato a nada, porque está incurso na Lei da Ficha Limpa

Depois de falar um monte de asneiras sobre um hipotético diálogo do MDB com o PSDB e causar um prejuízo descomunal para a candidatura a governador do filho Daniel Vilela, o ex-governador-senador-prefeito Maguito Vilela mergulhou.

 

Em entrevista a Jackson Abrão, no portal de O Popular, disse que não será mais candidato a nada, já que não pode concorrer com o próprio rebento.

 

O que ele não contou é que virou ficha suja, por conta de uma condenação por improbidade administrativa em 2º instância, ou seja, no Tribunal de Justiça, em um processo que trata da compra de computadores superfaturados para a Prefeitura de Aparecida.

19 maio

Aplicativo de táxi? Se for isso que o governo tem para mostrar que está inovando, então estamos avançando sem parar… para trás. Táxi é transporte analógico e ultrapassado no mundo digital do Uber

Com o seu tradicional estardalhaço, o governo do Estado “lançou” mais um projeto supostamente de impacto: um aplicativo para que os servidores públicos chamem táxis para se locomover e, segundo a propaganda oficial, proporcionar uma economia de R$ 20 milhões anuais para os cofres públicos (que não foi demonstrada, resumindo-se a uma declaração de intenção).

 

Isso está longe de ser “inovação”. Inovação é o Uber, que abriu caminho para o transporte individual urbano com uso de celular, recursos online e oferece corridas pela metade do preço, com muito mais eficiência entre origem e destino que qualquer velho e superado táxi – em grande parte pilotados por motoristas em condições precárias de trabalho.

 

A ideia foi copiada do governo federal, onde deu chabu: o Tribunal de Contas da União suspendeu a iniciativa sob a alegação de que foram contratados apenas táxis, sem levar em consideração serviços mais baratos, como, no caso de Brasília, o Uber e o Cabify.

 

Em Goiânia, temos Uber e 99. Será que eles foram considerados na contratação dos táxis para o governo?

 

19 maio

Zé Eliton é um “governador oral”. Fala muito, expressa-se bem, deixou para trás o jargão jurídico e a entonação de meetingueiro de província e, mais importante, conteve o gênio arrogante

Ao assumir o governo do Estado e se submeter à luz dos holofotes, Zé Eliton passou a ter o seu comportamento observado com lupa.

 

Em pouco mais de um mês de mandato-tampão, sua imagem ficou marcada pela oralidade. Trata-se de um governador que fala muito, porém expressa-se bem, tendo corrigido defeitos graves como o excesso de jargão jurídico (sempre foi advogado), a entonação de meetingueiro de província e, principalmente, o gênio arrogante que transparecia principalmente no seu relacionamento com a equipe de governo.

 

Continua cercado de seguranças, hábito antipático que adquiriu desde os dias iniciais do primeiro mandato de vice-governador, mas de nada adiantou quando acabou baleado durante um atentado em Itumbiara, ao lado de outro Zé, o Gomes, candidato na época a prefeito da cidade.

 

Analisando esses 40 dias de governo, dá pra notar que Zé Eliton parece convincente no papel de governador, o que pode ajudar no seu esforço para subir as pesquisas e persuadir em definitivo a coligação liderada pelos tucanos de que é o melhor candidato, não pelo só pelo cargo e sim pelo preparo, desempenho e um mínimo de liderança.

 

O tempo é curto. É preciso que os índices se mexam nas próximas pesquisas, que provavelmente virão em junho. Caso contrário será difícil conter o desânimo da base governista.

19 maio

Nos últimos anos, governo de Goiás teve 4 logos e 8 slogans. Agora, mais um: Zé Eliton lança marca nova, com mote que promete “avançar sem parar”. Isso desperdiça dinheiro público e precisa acabar

O governo de Goiás teve tantos símbolos e slogans nos últimos anos que é quase impossível determinar qual deles está valendo e qual o seu significado. Em um momento, “Goiás cresce, você também”. Em outro, “inovação que cuida das pessoas”, logo substituído por “Goiás, Estado inovador” e assim por diante.

 

Pelo menos 4 marcas gráficas e 8 legendas foram utilizadas. A última, baseada nos arcos olímpicos, acabou lembrando uma inconveniente, para o momento, algema.

 

Agora, está no ar a nova marca adotada pelo governador Zé Eliton, que pretende assinalar o seu mandato-tampão com a proposta abstrata de “avançar sem parar”. Há quem critique a utilização de palavras de carga negativa em frases publicitárias, a exemplo de “parar”, um contraponto desnecessário a ser colocada adiante de um bordão que pretende uma ideia de movimento – “avançar”.

 

Tudo isso, na verdade, custa dinheiro e representa um desperdício, já que o correto seria seguir a solução adotada pelo governo e a prefeitura de São Paulo: as 2 administrações usam apenas o escudo oficial do Estado e da cidade, exatamente para evitar gastos necessários a cada troca de gestão. Qualquer outra variação é rigorosamente proibida.

19 maio

No rame-rame do governo, presidindo eventos, lançando obras e distribuindo recursos, diante das claques da base aliada, Zé Eliton não vai decolar nas pesquisas

Ele jamais vai admitir em público. Ao contrário, vai dizer como já disse que está preocupado com a administração do Estado, que é responsável e que não perderá um único minuto com qualquer outra questão.

 

Porém, a realidade que oprime como um fardo pesadíssimo as costas de Zé Eliton é a necessidade de subir nas pesquisas. E ele sabe disso. É fundamental para a estabilidade da candidatura alcançar números melhores do que os 9,8% conquistados na última pesquisa do Grupom ou, pior ainda, os minguados 6,7% registrados no levantamento do Serpes.

 

O problema é que o rame-rame administrativo em que o governador se meteu é insuficiente para faturar saltos nos índices. Na verdade, desde os tempos de vice, pelo menos desde o segundo mandato, iniciado em 2015, o ritual diário de Zé Eliton é o mesmo que ele continua seguindo como inquilino do Palácio das Esmeraldas: concede audiências, preside eventos, lança obras e distribui recursos, sempre aplaudido por claques e fotos alegres nas redes sociais. Trata-se de um padrão politicamente formal e por isso mesmo medíocre, que dá vitrine, mas não rende pontos nas pesquisas, como ficou provado até agora.

 

É preciso algo novo.

19 maio

Disputa entre Demóstenes e Lúcia Vânia pela segunda vaga deixa Zé Eliton em situação difícil: “É um conflito que vai enfraquecê-lo mais do que já está”, aposta Helvécio Cardoso no Diário da Manhã

Boa a análise do jornalista Helvécio Cardoso sobre a disputa sangrenta entre Lúcia Vânia (que ela não admite) e Demóstenes Torres pela segunda vaga ao Senado na chapa governista.

 

Helvécio Cardoso culpa o PTB por estar armando uma crise profunda, que coloca o governador e candidato Zé Eliton em situação difícil “e pode enfraquecê-lo mais do que já está”.

 

Ele lembra que Lúcia Vânia considera-se dona da vaga. Se não a quiserem, tem onde se abrigar. “Não precisa de ninguém na base governista. Eles é que precisam dela”, assinala, corretamente.

 

Helvécio Cardoso lembra ainda que a senadora também tem seu calcanhar de Aquiles. “Num encontro de militantes, semana passada, Jovair Arantes afirmou que na chapa não pode ter gente que dá piti em palácio. Ele não disse o nome de Lúcia Vânia. Precisava?”.

 

Nâo, não precisava.

Página 104 de 108« Primeira...102030...102103104105106...Última »