Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt e convidados sobre política, cultura e economia

07 jun

“Novo Tempo Novo” pegaria como slogan de Daniel Vilela, que tem a cara de menino que Marconi tinha em 1998 . Para Zé Eliton é difícil: não tanto quanto o emedebista, ele é até jovem, mas não parece

No programa Jackson Abrão Entrevista, o secretário de Governo João Furtado  defendeu o slogan “Novo Tempo Novo” lançado pelo governador Zé Eliton e disse acreditar que o espírito da nova gestão está resumido no bordão.

 

A começar por João Furtado (que já foi de tudo nos últimos 20 anos da Era Marconi Perillo em Goiás), não há possibilidade do governo Zé Eliton representar qualquer “Novo Tempo Novo”. Não houve nenhuma mudança, a exemplo da forte ruptura que a ascensão de Marconi Perillo trouxe no passado. Nem há ninguém novo, muito menos em idade. Zé Eliton é relativamente jovem, pouco mais de 40 anos, mas há um problema: não parece.

 

O slogan teria alguma chance de pegar, eliminado o seu contexto, com um candidato do tipo Daniel Vilela, que tem a mesma cara de menino que Marconi tinha quando trouxe o seu “Tempo Novo”. Mas duvido que ele queira…

07 jun

Outro programa do governo Marconi que fracassou foi o Inova Goiás, que não conseguiu melhorar a posição de Goiás no ranking da inovação: piorou do 16º lugar em 2015 para o 17º em 2017

Não foi só o Programa Goiás Mais Competitivo, criado para melhorar a posição do Estado no ranking nacional de competitividade, que fracassou (saímos do 10º lugar em 2015 para o 13º em 2017).

 

Outro fiasco foi o Programa Inova Goiás, lançado com pompa e circunstância no início do último governo de Marconi Perillo com a pretensão de situar o Estado entre os três Estados brasileiros que mais investiriam em inovação e entre os seis Estados mais inovadores.

 

Com perdão da palavra, foi maluquice pura. Passados três anos desde o seu lançamento, o Inova Goiás virou pó. Os investimentos prometidos nunca aconteceram. No ranking nacional de inovação, a posição de Goiás, que estava em um humilhante 16º lugar, piorou para 17º em 2017.

 

Sobre esse assunto Marconi também deve explicações.

 

07 jun

Campanhas de Marconi sempre foram pródigas em pesquisas, mas ele liderava (2010 e 2014). Agora, com Zé Eliton em 3º lugar, as pesquisas… sumiram

As campanhas vitoriosas do governador Marconi Perillo sempre contaram com abundância de pesquisas eleitorais, nas quais ele sempre aparecia em vantagem com índices que, mais tarde, acabavam confirmados nas urnas.

 

Assim foi, principalmente em 2010 e 2014. Mas neste ano, mesmo a 120 dias da eleição, há uma escassez de pesquisas em Goiás. Até agora, apenas duas foram publicadas, uma do Serpes, em O Popular, e outra do Grupom, no Diário da Manhã. Só. Mais nada. Em ambas, Ronaldo Caiado aparece disparado na liderança, inclusive com forte probabilidade de vitória já no 1º turno.

 

Para o veterano comentarista Afonso Lopes, em seu blog, “esse fato pode ter funcionado como grande inibidor para novas encomendas, até pela possibilidade de pouca alteração nas tabelas de classificação”.

 

É estranho. A campanha de Zé Eliton, que está no governo e tende a ser mais pródiga em recursos, diz que tem “pesquisas internas” boas para o candidato, mas não divulga. Sinal, óbvio, de que os números continuam ruins.

07 jun

Zé Eliton esclarece nas redes sociais que Marconi estava viajando para “um descanso justo e merecido com a família” e não toca nos tais investimentos que ele teria ido captar na Ásia

Em um vídeo editado, gravado no Palácio das Esmeraldas e postado nas suas redes sociais(frame acima), o governador Zé Eliton tenta acabar com o mistério e as especulações que envolveram o desaparecimento do ex-governador Marconi Perillo nos últimos 30 dias.

 

Zé Eliton estava com Marconi e, ao seu lado, disse que “estou aqui recebendo meu grande amigo governador Marconi, que retoma a agenda aqui em Goiás, depois de ter um descanso justo e merecido com a família…” (nesse ponto a fala é abruptamente cortada).

 

Em seguida, Marconi também diz alguma coisa. Nenhum dos dois toca no anúncio anterior ao sumiço do ex-governador, quando foi dito que ele iria para países da Ásia para captar investimentos para o Estado. Nada se acrescenta também sobre onde exatamente o viajante ilustre esteve e o que fez.

07 jun

É tudo a mesma coisa: “Três principais candidatos ao governo têm posições semelhantes sobre a maioria dos 25 temas polêmicos abordados por O Popular”

Anotei aqui no blog que a coleta de opiniões efetuada entre os três principais candidatos a governador- Ronaldo Caiado, Daniel Vilela e Zé Eliton –  pelo jornal O Popular mostrava pouca imaginação e quase que igualdade absoluta de respostas. Nesta quinta, na coluna Giro, o jornalista Caio Salgado chega à mesma conclusão:

 

“Os três candidatos ao governo estadual com maior estrutura partidária e de pré-campanha têm posições semelhantes sobre a maioria dos 25 temas polêmicos abordados por O Popular e publicados nesta quarta. As respostas dadas pelo deputado federal Daniel Vilela (MDB), pelo governador José Eliton (PSDB) e pelo senador Ronaldo Caiado (DEM) foram na mesma direção em 13 ocasiões – mais de metade dos assuntos abordados. No entanto, a convergência é maior se consideradas suas posições individualmente. Eliton, por exemplo, concorda com seus dois adversários em 17 respostas. Caiado e Daniel concordam em 16. Em todos esses casos, o nível de concordância chega perto de 70%.”.

 

Isso confirma que caminhamos para uma campanha onde haverá similaridade de propostas e posicionamentos, dificilmente surgindo algo que um candidato possa dizer para criar uma diferenciação motivadora de voto. Valerá mais o significado de cada um: governo e oposição. E a trajetória, a história pessoal. Em tudo, vantagem para Caiado.

07 jun

Metade do eleitorado não votou no Tocantins, no 1º turno. Se isso se repetir em Goiás – e deve – o prejuízo vai para quem tem um eleitorado fiel e sólido, ou Caiado ou Zé Eliton (por ser governo)

As eleições para governador provisório no Tocantins, domingo passado, tiveram um índice de 49,33% de abstenção e votos nulos e brancos. Em outras palavras, metade do eleitorado do Estado preferiu não se manifestar sobre os candidatos que se apresentaram.

 

A expectativa, portanto, é que o próximo pleito, daqui a pouco mais de 100 dias, deve ser impactado por um elevado índice de alienação eleitoral – talvez o maior de todos os tempos. É o tal desencanto com a política

 

Em Goiás, quem ganha e quem perde com isso, se o fenômeno se repetir em outubro próximo? Ou todos os candidatos sairão prejudicados igualmente? Ronaldo Caiado, Daniel Vilela ou Zé Eliton, qual deles poderá eventualmente ser beneficiado ou negativamente afetado?

 

Em princípio, quanto menos eleitores vão urnas ou não escolhem candidatos, mais prejuízos para quem conta com um eleitorado fiel e sólido, que, em Goiás, são Ronaldo Caiado, pelos altos índices que tem nas pesquisas, e Zé Eliton, na suposição de que a base do governo tem um limite razoável de votos cativos. Por enquanto, é isso.

06 jun

Thiago Peixoto e Marconi devem explicações sobre o fracasso do Programa Goiás Mais Competitivo, que eles criaram e resultou em perda de posições do Estado no ranking nacional de competitividade

Criado pelo então secretário de Planejamento Thiago Peixoto, no primeiro ano do último governo Marconi Perillo (2015), o programa Goiás Mais Competitivo tornou-se rapidamente o centro das atenções da administração e prometia em apenas três anos posicionar Goiás entre os Estados mais competitivos do Brasil.

 

Pois é: os tais três anos se passaram e o que aconteceu? Em vez de melhorar, Goiás teve uma piora acentuada no ranking nacional de competitividade. Em 2015, o Estado estava até bem, no 10º lugar, mas foi desclassificado em 2016 para o 12º lugar e, no fechamento das contas de 2017, piorou ainda mais e foi para o 13º lugar.

 

Um fracasso redondo, portanto. Thiago Peixoto deixou o governo, voltou para o seu mandato de deputado federal, está em campanha pela reeleição e nunca mais falou em competitividade. Marconi Perillo menos ainda.

 

Eles estão devendo explicações.

06 jun

Apareceu: Marconi finalmente regressa de sua misteriosa viagem quase 30 dias, visita Zé Eliton e dá sinais de que pode tentar resolver os desafios que incomodam a base governista

Um vídeo postado no Instagram do governador Zé Eliton mostra cenas rápidas de uma visita que o ex-governador Marconi Perillo fez a ele, no Palácio das Esmeraldas, nesta quarta (veja as imagens acima).

 

Também na edição desta quarta de O Popular, uma nota na coluna Giro informa que Marconi vai, sim, entrar nas articulações políticas necessárias para tentar solucionar problemas que ameaçam a unidade e a força da base governista – dentre eles cresceu a crise com o PP, partido que está de saída para apoiar o emedebista Daniel Vilela ou até mesmo o democrata Ronaldo Caiado.

 

Seria bom também o ex-governador dar explicações sobre a sua viagem. Afinal de contas, é um homem público e tudo o que faz deveria ser público.

06 jun

Sucessão de trapalhadas na base governista: Vanderlan, com sua inabilidade para negociar pelo PP, gerou o desabafo de Zé Eliton, que configurou erro estratégico e deixou a base governista arrepiada

Uma sucessão de trapalhadas deixou nos últimos dias a base governista arrepiada – já há tempos consumida pela tensão diante dos problemas políticos que estão se acumulando sem solução e à má perfomance do governador Zé Eliton nas pesquisas.

 

O PP deu a partida. O presidente do partido, Alexandre Baldy, designou Vanderlan Cardoso para negociar com Zé Eliton uma ampliação do espaço da legenda dentro do governo. Vanderlan foi e, como enxergou o presidente da Assembleia José Vitti, colocou a “faca na goela” do governador, que não gostou de ser pressionado de maneira tão ostensiva e indelicada.

 

Aí piorou. Zé Eliton aproveitou um discurso no Teatro Basileu para mandar recado ao PP, mas não citou nominalmente o partido e jogou a carapuça para o alto. Negociação política, em resumo, disse o governador, é algo que dá “nojo” a ele. Como a base montada por Marconi é densa e complexa, foi estruturada e se mantém em pé exatamente em função de “negociação política”, subtendeu-se que Zé Eliton tem nojo da própria política e… de todos os políticos.

 

Tudo errado. E vai piorar.

06 jun

Descuido com redes sociais de Zé Eliton chega a ponto de postagem de textos incompreensíveis. Você, leitor, sabe o que é “um rico de diálogo”?

Mal cuidados, os perfis do governador Zé Eliton nas redes sociais acumulam erros de português, de digitação e até a postagem de textos incompreensíveis.

 

Em uma das últimas publicações, no Instagram, onde Zé Eliton tem mais de 24 mil seguidores, ele diz que “em meio a uma agenda e outra, pausa para um cafezinho e um rico de diálogo com prefeitos”(veja acima).

 

“Um rico de diálogo”? O que é isso, governador?

 

Atualização: o erro foi corrigido minutos após a publicação desta nota e a o trecho incompreensível foi substituído por “um rico diálogo“.

06 jun

Ministério Público pede na Justiça a nulidade da nomeação de Sérgio Cardoso para o TCM, por falta de reputação ilibada e por não ter apresentado diploma de Direito

O Ministério Público ingressou com ação civil pública para anular a nomeação de Sérgio Antonio Cardoso de Queiroz, cunhado do ex-governador Marconi Perillo, ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás.

 

Entre outros motivos, o promotor Fernando Krebs alega que Sérgio Cardoso não tem reputação ilibada, por responder a ação de improbidade administrativa e ter tido os bens bloqueados, e também por ter informado ser portador de diploma do curso de Direito, mas sem apresentar o documento.

06 jun

Tática do governo Zé Eliton é ignorar as críticas de Vilmar Rocha e não reagir. Eis aí um erro que vai custar caro: em política, o que não tem resposta acaba ficando como verdade

As críticas do presidente do PSD Vilmar Rocha ao governador Zé  Eliton estão cada vez mais pesadas.

 

Diz Vilmar sobre o governador: “Não é qualificado para governar Goiás, não traz renovação nenhuma, é continuísmo de um ciclo histórico que já se esgotou. Não tem perfil para um projeto avançado, moderno e diferente para Goiás. Não motiva, não entusiasma”.

 

Isso é sério e vai no âmago do governismo atual, em sua busca desesperada por afirmação. Mas ninguém reage. Vilmar fala o que quer e não é contraditado. Dizem que Zé Eliton estaria a orientar a sua corte para ignorar os petardos.

 

Eis aí um tremendo erro estratégico. Uma falsa superioridade. Em política, o que não tem resposta acaba ficando como verdade. Vilmar Rocha, raposa felpuda, sabe disso e segue espertamente falando, falando, falando. As pessoas ouvem, leem, tomam conhecimento e pensam. Será que é verdade? Será que pode ser verdade?

 

Zé Eliton é advogado e deveria ter aprendido com a sua profissão: tudo o que uma das partes fala, sem contraditorio, passa a ser verdade.

06 jun

Programa Goiás Mais Competitivo fracassa e Estado perde posições no ranking de competitividade: em 2015, estávamos em 10º lugar, em 2016 caímos para o 12º e agora descemos para o 13º

Goiás está piorando a cada edição do ranking nacional de competitividade, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Economist Intelligence Unit e Consultoria Tendências: em 2015, o Estado desfrutava do 10º lugar, foi desclassificado em 2016 para o 12º lugar e, no fechamento das contas de 2017, piorou e foi para o 13º lugar.

 

Os números atestam o fracasso do Programa Goiás Mais Competitivo, principal proposta do ultimo governo Marconi Perillo, criado para melhorar os índices do Estado nas áreas de infraestrutura, educação, segurança pública, solidez fiscal, meio ambiente, sustentabilidade social e eficiência da máquina pública, dentre outros, exatamente os que são aferidos pelo ranking nacional de competitividade. Em todos esses quesitos, Goiás apresentou queda de qualidade.

 

O Programa Goiás Mais Competitivo foi ideia do então secretário de Gestão e Planejamento, Thiago Peixoto, que começou a sua implantação em 2015. Não deu certo e daí para cá os índices só tiveram deterioração. Os números do ranking relativos a 2018 serão divulgados em setembro próximo.

06 jun

Nova safra de pesquisas: 3 institutos pedem registro no Tribunal Regional Eleitoral, um para publicação em O Popular e os outros 2 no Diário da Manhã

O Tribunal Regional Eleitoral recebeu pedido de registro para mais três pesquisas para a eleição de governador e senadores em Goiás.

 

Para publicação em O Popular, inscreveu-se o instituto Serpes, que dispensa apresentações. Os instituto Diagnóstico (dirigido por Tiller Belloti, que tem tradição e, na minha opinião, credibilidade, pois é sério) pediu registro para publicação no Diário da Manhã e o instituto Lupa (ainda não consegui informações sobre) para o PSB, partido da senadora Lúcia Vânia, que deverá liberar a pesquisa  também para publicação no Diário da Manhã. A pesquisa do instituto Lupa foi encomendada pelo PSB nacional.

 

Até a semana que vem estão todas publicadas.

 

Atualização: o instituto Lupa Pesquisas e Projetos é de Belo Horizonte.

06 jun

Selma Bastos, do PT, prefeita da Cidade de Goiás, vai anunciar em breve que apoia a candidatura de Zé Eliton. Em seguida, será expulsa do partido, o que, convenhamos, não terá a menor importância

O governador Zé Eliton esteve nesta terça-feira na Cidade de Goiás, onde se encontrou a prefeita Selma Bastos, do PT, e liberou novos e vultosos investimentos estaduais no município.

 

Atenção: tem coelho nesse mato. Não é de hoje que Selma Bastos recebe atenção diferenciada do governo do Estado. Isso já vem desde os tempos do ex-governador Marconi Perillo, a quem a prefeita sempre dedicou elogios extremados.

 

Então, anote aí, leitor: em breve, Selma Bastos vai anunciar apoio à candidatura de Zé Eliton. Vai haver reação do PT, que a expulsará do partido. Mas isso de nada vai adiantar. A adesão dela à candidatura governista já foi fechada e depende apenas da escolha do momento oportuno, para render o máximo possível em termos de ganhos políticos para Zé Eliton.

Página 107 de 119« Primeira...102030...105106107108109...Última »