Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt e convidados sobre política, cultura e economia

22 set

Faltam só 15 dias para a eleição: estratégia da campanha tucana, que é mostrar o que foi feito e exigir o voto de gratidão, fracassou redondamente, mas mesmo assim eles continuam insistindo

A apenas 15 dias da eleição, as pesquisas que se sucedem mostrando Ronaldo Caiado furando o teto e ampliando a sua frente, enquanto Zé Eliton segue empatado com Daniel Vilela em 2º lugar, evidenciam com clareza que a estratégia adotada pela campanha tucana – exibir o que foi feito e exigir o voto de gratidão – não funcionou.

 

Desde a eleição de 1998 que o eleitor não mostrava tanta vontade para votar olhando para o futuro e sem considerar o passado. Isso está óbvio nos resultados de todas as pesquisas, as sérias, com certeza. Mas, mesmo assim, a máquina eleitoral do governismo continua moendo o mesmo argumento que já se provou ineficaz: nós, que fizemos tudo o que está aí, contra eles, que não fizeram nada. E o resultado é que as pesquisas não mudam e o Zé segue afundando a cada uma que é publicada.

 

Por que a campanha tucana não consegue abandonar um caminho que não leva a lugar nenhum ? Por que não reage, aceitando passivamente os maus números trazidos pelas pesquisas? Por que não abandona o discurso do Estado “terra de sonhos” e “mar de rosas”, que se mostrou infrutífero até agora?

 

Em postagens neste sábado nas redes sociais, Marconi Perillo e Zé repisam a mesma patacoada de sempre: citam obras e programas dos últimos 20 anos para repetir que eles é devem ser eleitos para manter tudo como está. Nem com a iminência de uma derrota acachapante alteraram uma linha que seja de um script que o eleitor nitidamente rejeita.

 

Os tucanos de Goiás sempre foram bons de serviço. E agora estão confirmando essa fama ao ajudar a construir a derrota que vai aniquilar com eles.

22 set

Não há fatores objetivos para justificar uma reação de Zé Eliton ou Daniel Vilela nas pesquisas. Já o desejo de mudança é concreto, empurra Caiado para cima e começa a chegar à eleição para o Senado

Pesquisas não falam por si só. Pesquisas são apenas o retrato do que está colocado dentro da sociedade. É por isso que, para que elas mudassem e mostrassem ou Zé Eliton ou Daniel Vilela subindo, no presente momento da campanha eleitoral, seria preciso que primeiro houvesse algo de concreto acontecendo e influenciando a cabeça do eleitor.

 

E não há nada. Zé e Daniel continuam no limbo onde sempre estiveram, empatados em 2 lugar na faixa de 10 a 13%, dentro da margem de erro, conforme, nesta semana, as pesquisas do Diagnóstico, Grupom e Ibope. Caiado segue em frente em 1º lugar, vencendo no 1º turno, com uma folgada margem de 30 a 34 pontos de vantagem.

 

Essas pesquisas apenas refletem o sentimento geral a favor de uma mudança administrativa em Goiás que qualquer um reconhece como real e verdadeiramente enraizado entre os goianos. Sendo assim, não há porque Caiado cair nem muito menos razão para que Zé e Daniel cresçam. Nada se modificou, do ponto de vista social. Caiado é a garantia de uma alternância de poder satisfatória. E o pior: esse desejo de mudança está se espalhando cada vez mais, a ponto de contaminar a eleição para o Senado. Não à toa, Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso estão em ascensão, tendo chegado ambos ao empate com Marconi pela diferença de um ponto, o que quer dizer que o anseio pela renovação é muito maior do que se imaginava.

22 set

Medalhões da campanha de Zé e Marconi entram em desespero e tentam desacreditar o Ibope para tirar a militância do desânimo que baixou após a pesquisa Ibope/TV Anhanguera

Liderados pelo ex-governador Marconi Perillo, alguns medalhões da campanha governista se esforçam, neste sábado, para contestar a pesquisa do Ibope que deu 47% das intenções de voto para Ronaldo Caiado e trouxe Zé Eliton e Daniel, como sempre, empatados no 2º lugar na faixa dos 10 a 13%, dentro da margem de erro.

 

Marconi, em um áudio que circula na internet, dá a nítida impressão de que está à beira de um ataque de nervos: acusa o Ibope, instituto que trabalha para a Rede Globo, de ter vendido a pesquisa para a campanha de Caiado.

 

Seria a primeira vez que alguém, liderando as pesquisas, como Caiado lidera, “compraria” uma pesquisa. Isso não tem sentido. Quem manipula (“compra) pesquisas é quem está atrás, caso da “virada” anunciada pela campanha de Zé Eliton a partir de uma pesquisa do instituto Directa, onde o candidato tucano apareceu com 26,2% das intenções de voto, em total desalinhamento com todos os outros levantamentos.

 

E se houve algo de errado com o Ibope, onde estão as provas?

 

O problema é que a militância sentiu o baque – e o motivo é o que este blog vem dizendo há algum tempo: Marconi e Zé faltaram com a verdade ao espalhar a “fake news” da virada que nunca aconteceu e só se baseou em uma pesquisa de nenhuma credibilidade. Disseram à tropa que Zé estava crescendo, que o 2º turno já estava garantido e o pessoal ingenuamente acreditou. Vem o Ibope e mostra que nada disso corresponde à realidade e que, pior ainda, o próprio Marconi está ameaçado de perder a eleição, ao aparecer em empate técnico em 1º lugar com Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso, pela diferença de um ponto.

 

É um fim de semana lúgubre para a base governista.

22 set

Em mensagem de áudio ao presidente da AGM, Marconi classifica a pesquisa Ibope/TV Anhanguera como “sacanagem” e afirma, sem provas, que ela foi “comprada” por Caiado

Em mensagem de áudio(ouça acima) enviada ao prefeito de Hidrolândia Paulo Sérgio de Rezende, que também é presidente da AGM, o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo classifica a pesquisa Ibope/TV Anhanguera como “sacanagem” e afirma que o levantamento foi “comprado” pelo candidato democrata Ronaldo Caiado.

 

No áudio, que está circulando na internet, Marconi não faz referência a provas. Acrescenta, apenas, que, na última quarta-feira, dois dias antes da divulgação pela TV Anhanguera, o governador Zé Eliton recebeu uma pesquisa do mesmo Ibope, em que teria 18% das intenções de voto, contra 40% de Caiado, a apenas 4 pontos da garantia de 2º turno.  Faz também um relato de campanhas passadas e informa que sempre foi vítima do instituto, que em suas várias eleições publicou pesquisas que não condiziam com a realidade que emergiu das urnas.

 

Ao presidente da AGM, o ex-governador tucano pede empenho para levar a informação aos prefeitos e jura que a “virada” está realmente acontecendo e que “vamos ganhar a eleição”.

22 set

Mobilização de rua, redes sociais, rádio e televisão, máquina governista, exército de prefeitos – nada adiantou e Zé Eliton vai chegar ao dia da eleição sem crescer um único ponto acima da margem de erro

O governador Zé Eliton é mesmo ruim de voto. É preciso admitir que ele e a sua campanha fizeram de tudo: carreatas, eventos, presença intensa nas redes sociais, maior tempo no horário eleitoral no rádio e televisão, uma poderosa máquina governista e um exército de prefeitos (já falaram em duas centenas), mas nada adiantou.

 

Entre a pesquisa Ibope de 17 de agosto último e a desta sexta-feira, ambas divulgadas pela TV Anhanguera, Zé cresceu 3 pontos, passando de 10 para 13% – dentro da margem de erro, portanto, que foi de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. No jargão técnico das pesquisas, nesse caso, não se poder classificar o movimento como crescimento, mas sim como mera oscilação, já que ocorrido dentro da margem de erro. Importante: o índice está alinhado com os números apurados pelos demais institutos de pesquisas, os de credibilidade, claro.

 

Zé é um fenômeno eleitoral às avessas. O maior de todos os tempos em Goiás.

22 set

Campanha nas ruas e no rádio e televisão fez Zé Eliton se consolidar em 1º lugar como o candidato mais rejeitado: segundo o Ibope, 27% dos eleitores não votariam nele de jeito nenhum

Deu para trás a campanha do governador Zé Eliton nas ruas e no rádio e televisão: a pesquisa Ibope/TV Anhanguera divulgada na noite desta sexta-feira trouxe o candidato tucano como o nome mais citado quando a pergunta foi “Em quem você não votaria de jeito nenhum?”.

 

Zé alcançou 27% de rejeição. Ronaldo Caiado teve 18% e Daniel Vilela 14%.

21 set

Apitou o alarme de incêndio: com a pesquisa Ibope/TV Anhanguera, campanha de Zé Eliton entra em clima de velório, pior ainda com a perspectiva de derrota de Marconi

A pesquisa Ibope/TV Anhanguera desta sexta-feira à noite fez baixar um inevitável clima pesado de velório sobre a campanha do governador Zé Eliton, que manteve a mesma pontuação de sempre, continua empatado tecnicamente com Daniel Vilela em 2º lugar e agora a 34 pontos de Ronaldo Caiado – o que corresponde a quase 1.400.000 votos de frente para o candidato democrata.

 

Lançar Zé para o governo foi uma loucura do PSDB e partidos aliados que vai custar caro. Mas os dados que o Ibope trouxe para a disputa pelas duas vagas ao Senado agravam ainda mais a deprimente situação da campanha tucana: o ex-governador e líder maior do Tempo Novo está empatado em 1º lugar com Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso, pela uma ínfima diferença de um ponto.

 

Um ponto. Na definição de um militante apaixonado do PSDB, “Zé já era e Marconi tá lascado”.

 

Vem aí o desfecho esperado para o governo e inesperado para o Senado em uma das mais significativas eleições da história política de Goiás. Para azar dos tucanos.

21 set

Pós Ibope: se tivesse juízo, base governista deixaria Zé por conta própria e investiria tudo na eleição de Marconi, por uma questão de sobrevivência futura. A alternativa é morrer todo mundo abraçado

Se, em política, a racionalidade prevalecesse, a base governista deixaria imediatamente o Zé por conta própria e passaria a investir tudo o que pudesse na eleição de Marconi Perillo para o Senado, como única alternativa de sobrevivência para o futuro de todos. Como se sabe, Marconi corre risco e está ameaçado pela ascensão de Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso, que crescem sem parar nas pesquisas, enquanto ele segue estagnado.

 

Não tem sentido um exército tão grande e que se acostumou a ganhar eleições uma atrás da da outra, pelos últimos 20 anos, ser aniquilado por se atrelar à candidatura de alguém que não possui os méritos mínimos para representar tamanha força, como Zé Eliton.

 

Zé foi um erro. Claro que agora é tarde demais. A 15 dias da data da eleição, não adianta chorar o leite derramado. Seria a hora de pragmatismo e ajustar a estratégia: todos, com força total, investindo na candidatura de Marconi ao Senado. Perdido o governo, como já está, sobraria um líder à altura de comandar o que restar do antigo e poderoso grupo dos tucanos, que provavelmente será reduzido a uma sombra do que foi.

 

A alternativa a isso, com a derrota também de Marconi, é o fim de tudo e de todos no grupamento liderado pelos tucanos.

21 set

Veja vídeo de Zé Eliton, postado na tarde desta sexta-feira, comemorando a “virada” que nunca houve e que, horas depois, seria desmentida mais uma vez pela pesquisa Ibope

“Eu quero agradecer a todos que estão participando desta onda azul e desta grande virada que está acontecendo em todos os cantos do Estado”, diz o governador Zé Eliton, em vídeo postado nas suas redes sociais, na tarde desta sexta-feira(veja acima). Zé parece entusiasmado.

 

Poucas horas depois, a TV Anhanguera divulgou a nova rodada da pesquisa Ibope. A “virada” comemorada por Zé Eliton foi o crescimento de Ronaldo Caiado, que chegou a espetaculares 47% das intenções de votos, enquanto o candidato tucano continuou tecnicamente empatado em 2º lugar com Daniel Vilela. Zé não passou de 13% e Daniel de 12%.

 

Zé e a tucanada precisam cair na real: a onda azul e a grande virada não passam de uma ilusão para incautos.

21 set

Ibope deixa os líderes da base governista, especialmente Zé Eliton e Marconi, em situação constrangedora, já que faltaram com a verdade ao dizer à militância que uma “virada” estaria acontecendo

De 10 dias para cá, a base governista mergulhou em um clima ficcional de “virada”, a partir de uma pesquisa, a do instituto Directa, contratada por um marqueteiro da campanha tucana, atribuindo incríveis 26,2% das intenções de votos para Zé Eliton e indicando, assim, que uma mudança de expectativas estaria acontecendo, inclusive com a garantia de que haveria 2º turno.

 

Pelo menos foi o que Zé Eliton e Marconi repetiram diariamente em discursos, entrevistas e em dezenas vídeos nas redes sociais direcionados à militância da campanha tucana, no afã de tentar insuflar algum ânimo e não deixar a peteca cair.

 

Mas a pesquisa do Ibope, na noite desta sexta-feira, confirmou o que já havia sido mostrado pelos institutos Diagnóstico e Grupom: a tal “virada” não passou de uma grande armação. Zé e Marconi não falaram a verdade para os seus seguidores. A “onda azul” que estaria varrendo o Estado não passou de uma invenção do marketing tucano, que, mais tarde ou mais cedo, seria desmentida, como mais uma vez foi agora pelo Ibope.

 

Zé e Marconi prometeram uma virada. Estão entregando um fiasco.

21 set

Gráfico da pesquisa estimulada do Ibope é arrasador e mostra ascensão meteórica de Caiado, a léguas de distância de Zé Eliton e Daniel

O gráfico da pesquisa estimulada para governador de Goiás, exibido pela TV Anhanguera ao divulgar o levantamento do Ibope na noite desta sexta-feira, é simplesmente arrasador, do ponto de vista visual: mostra, em linha reta ascendente, a disparada de Ronaldo Caiado, que subiu 11 pontos desde 17 de agosto (data da pesquisa anterior do Ibope) e alcançou agora fantásticos 47% das intenções de votos.

 

O Ibope iniciou, a 15 dias da data da eleição, a missa de réquiem das candidaturas de Zé Eliton e Daniel Vilela.

21 set

Caiado consolida vitória no 1º turno, segundo o Ibope, com 58,7% dos votos nominais válidos

Ronaldo Caiado vence as eleições em 1º turno, segundo o Ibope, com 58,7% dos votos nominais válidos, índice que corresponde aos 47% que obteve na pesquisa divulgada na noite desta sexta-feira pela TV Anhanguera. Para ganhar sem necessidade de disputar o 2º turno, um candidato majoritário deve obter 50% dos votos mais um, conforme a legislação eleitoral.

21 set

Virada está acontecendo, mas não na eleição para governador: Ibope aponta Marconi (29%), Kajuru (28%), Vanderlan (28%) e Lúcia Vânia (26%) empatados em 1º lugar

O desastre que se prenuncia para a campanha majoritária governista não se resume ao fiasco da candidatura de Zé Eliton: a nova rodada da pesquisa do Ibope, anunciada na noite desta sexta-feira na TV Anhanguera, aponta empate técnico em 1º lugar, na disputa pelas duas vagas no Senado, entre Marconi (29%), Kajuru (28%), Vanderlan (28%) e Lúcia Vânia (26%).

 

A pulga atrás da orelha para os dois candidatos da coligação liderada pelo PSDB é que Kajuru e Vanderlan estão em tendência de alta, enquanto Lúcia Vânia começa a cair e Marconi segue estagnado.

21 set

Ibope decreta o enterro das candidaturas de Zé Eliton e Daniel Vilela: Caiado arrebenta o teto e vai a 47%, um dos maiores índices em eleições majoritárias em Goiás em todos os tempos

A nova rodada da pesquisa Ibope caiu como uma bomba no meio político do Estado: Ronaldo Caiado alcançou 47% das intenções de voto, um número extraordinário e poucas vezes visto em eleições majoritárias em Goiás.

 

Zé Eliton apareceu com 13% e Daniel Vilela com 12%, empatados tecnicamente em 2º lugar. A 15 dias da eleição, o Ibope decreta o enterro dos dois e praticamente define a eleição em 1º turno a favor de Caiado.

21 set

Campanha só tem mais uma semana e meia, poucos programas na TV e vai levar Zé Eliton e Daniel a intensificar ataques para tentar derrubar Caiado, o que pode enterrar os dois de vez

Os QGs de Zé Eliton e Daniel Vilela admitiram, segundo a coluna Giro, em O Popular nesta sexta-feira, que vão intensificar os ataques para tentar derrubar Ronaldo Caiado e forçar um 2º turno.

 

Resta pouco tempo: na prática, são apenas mais uma semana e meia de campanha e mais 5 programas de televisão (considerando que cada um é exibido duas vezes), tempo exíguo demais para provocar grandes mudanças – se é possível que elas ainda possam acontecer.

 

Do ponto de vista de estratégia eleitoral, Zé e Daniel não têm outra alternativa a não ser atacar. Mas o risco é grande: em Goiás, tradicionalmente, o eleitor rejeita campanha de acusações e agressões aos adversários. Esse caminho, em eleições passadas, sempre se voltou contra quem o adotou. Aumenta a rejeição e não produz resultados, especialmente quando o alvo é um candidato blindado por uma sólida lideranças nas pesquisas e por uma imagem limpa e respeitável como Caiado. Outro perigo, na utilização do horário no rádio e TV para ataques, é a suspensão do programa e a concessão de direito de resposta. Nesta sexta-feira, a coligação de Zé Eliton, por exemplo, foi punida com o corte de 40 segundos no horário do rádio, por ter veiculado propaganda ridicularizando
Caiado.

 

Na prática, Zé e Daniel vão para o tudo ou nada.

Página 20 de 95« Primeira...10...1819202122...304050...Última »