Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

21 maio

Reforma administrativa implantada por Marconi em 2011, com imposição midiática de apenas 10 secretarias, trouxe prejuízos para a política de desenvolvimento do Estado e não economizou nada

Agora, perto do apagar das luzes da administração estadual, uma breve avaliação da reforma administrativa implantada em 2011 pelo governador Marconi Perillo dá total razão aos que alertaram na época para o grande equívoco em se juntar diversas secretarias numa única, objetivando atingir o número midiático de 10.

O resultado foi a paralisação total de importantes áreas de atuação do governo por conta de estruturas agigantadas, que, de forma descontrolada, permanecem à deriva há quase 4 anos.

Por exemplo: áreas importantes, antes abrigadas na Secretaria da Indústria e Comércio ou na Secretaria de Ciência & Tecnologia, foram varridas para a quase insignificância, com enormes prejuízos para a política de desenvolvimento do Estado – sob o guardachuva de uma inviável e paquidérmica Secretaria Estadual de Desenvolvimento.

E, mais grave ainda, não houve sequer a propalada economia. Isso contribuiu para piorar a já frágil situação fiscal do nosso Estado. Voltarei a esse assunto.(Mauro Faiad, economista)