Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

12 jun

Índices de Marconi na pesquisa Serpes/O Popular mostram que o nome dele passou a enfrentar forte resistência na sociedade e que a candidatura o Senado está fragilizada e será difícil

Os índices obtidos pelo ex-governador Marconi Perillo na última pesquisa Serpes/O Popular evidenciam que surgiu e é forte na sociedade uma resistência ao seu nome, depois de 20 anos de poder. Em consequência, a candidatura ao Senado está fragilizada e com perspectivas incertas.

 

Nas intenções de voto ao Senado, Marconi ainda está em 1º lugar, com 14%, quando na pesquisa anterior, do mesmo Serpes, tinha 16,1%. Nos dois cenários pesquisados para o 2º voto, o Serpes alegou erro e anulou a pesquisa.

 

Os demais números permanecem. Marconi é o mais rejeitado. Quase um terço do eleitorado, ou 32,1%, não vota nele para o Senado de jeito nenhum.

 

E ainda: para um nome que tem duas décadas de forte exposição, Marconi revela desempenho pífio na pesquisa espontânea. Seu nome é lembrado por apenas 2,6% do eleitorado.

 

Por último: 52,4% dos entrevistados não votariam em hipótese alguma em um candidato a governador indicado por ele.

 

Definitivamente, Marconi não é mais o mesmo.