Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

13 set

Erros e acertos do marketing: José Eliton foi transformado em um produto falsificado, o Zé humilde e trabalhador. Já Caiado e Daniel são mostrados nos seus programas como pessoas reais

Uma apreciação do marketing das campanhas dos três principais candidatos a governador de Goiás leva à conclusão de que Ronaldo Caiado e Daniel Vilela estão sendo apresentados ao eleitor como realmente são, tanto na personalidade quanto em termos de aparência e falas.

 

Já o governador José Eliton, não. Seus marqueteiros o convenceram a se transformar em um produto de gôndola de supermercado, só que falsificado e inexistente, o Zé.

 

Depois da segunda eleição de Dilma Rousseff, que ganhou com mentiras e enganações, o marketing exagerado ficou desmoralizado no Brasil. Qualquer candidato majoritário tem inteligência suficiente para saber que não é iludindo o eleitor que se vence uma eleição e que marqueteiro não pode fazer o que quer. Isso pega mal.

 

Mas os magos da comunicação e da propaganda que trabalham para a campanha tucana não tiveram medo de nada. Eles criaram o Zé, gente com a gente, humilde e trabalhador, que ralou muito na vida para chegar até ao cargo de governador. Uma ficção que, apresentada na televisão, causa espanto.

 

E o resultado aí está: a data da eleição chega em três semanas e a invenção do Zé não produziu qualquer resultado até agora. Não rendeu um décimo de ponto nas pesquisas. Caminha para perder no 1º turno e se tornar o único governador, em todos os tempos, a tomar uma derrota dessas proporções. É assim que o Zé vai ser lembrado.