Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

25 mar

Pedro Wilson, ex-deputado, ex-prefeito e suposto defensor dos direitos humanos, está devendo desculpas pelo apoio ao assassino Cesare Battisti, que agora enfim confessou seus 4 homicídios

Pode um cristão, defensor ferrenho dos direitos humanos que chegou até, como deputado, a presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, dar apoio e solidariedade incondicional a um assassino que matou quatro homens e deixou uma criança paraplégica, a tiros de revólver?

 

Pode?

 

Leitora e leitor: esse é o caso de Pedro Wilson Guimarães, católico até o último fio de cabelo, e suas relações espúrias com Cesare Battisti, o terrorista italiano que passou 40 anos foragido e finalmente foi capturado pela polícia italiana, depois de passar uma boa parte da sua vida acobertado no Brasil pelo presidente Lula e pelos petistas, que, a exemplo de Pedro Wilson, acreditaram na sua inocência e o abraçaram como um perseguido político – que ele mesmo, agora, em confissão espontânea, reconheceu ter sido um engodo inventado para conseguir acolhimento em terras brasileiras

 

Em 28 de fevereiro de 2004, uma comissão de deputados federais liderada por Pedro Wilson visitou Battisti na penitenciária da Papuda(prestem atenção na foto e no sorriso largo de PW), onde ele aguardava detido os favores que acabaram vindo dos governos petistas para salvaguardar sua impunidade. Pedro Wilson, então presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, foi quem liderou o grupo. Vejam a foto: o religioso e humanista Pedro Wilson se esforça para empalmar as mãos sujas de sangue do assassino. Notícias da época deram conta de que até as beijou, mas pode ser exagero ou deturpação. O que importa é que ele foi lá para dar uma força a Battisti, isso numa época em que o dolo e a natureza cruel dos crimes que cometeu já eram patentes e só a cegueira da esquerda brasileira impedia que fossem vistos.

 

A confissão, agora, só confirma o que sempre se soube e nunca foi novidade. Battisti reconheceu que mentiu sobre a sua inocência para assegurar o apoio de Lula e dos petistas, a exemplo de Pedro Wilson – católico, cristão, defensor dos direitos humanos, como se pode concluir, de araque.

 

Goiás e o Brasil aguardam pelo pedido de desculpas de Pedro Wilson. Battisti já pediu as suas às famílias das vítimas.