Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

22 maio

Proposta de Daniel Vilela, se eleito governador, é transformar o Serra Dourada em arena moderna, padrão Copa do Mundo, com um shopping center dentro. Isso é um desatino

Os 3 principais candidatos a governador pouco têm falado de suas propostas e, na ausência dessa definição, cada um passa a simbolizar, pelo seu passado e formação, seu próprio plano de governo.

 

Simples: Zé Eliton vai continuar com o que está aí, Ronaldo Caiado tudo vai mudar e Daniel Vilela, pela enésima vez, anunciou nesta terça no Diário da Manhã que está “preparando um projeto para Goiás”.

 

É fácil concluir que desse mato não vai sair nenhuma lebre. Ou seja, no andar dessa carruagem nem Eliton nem Caiado nem Daniel vão apresentar qualquer proposta coerente, capaz de contemplar de fato uma visão de futuro para Goiás. E nem sei se seria possível, já que em um mundo fragmentado e pulverizado em milhões de informações simultâneas, como o atual, talvez não haja mesmo nenhuma ideia nova disponível, nada, enfim, que pudesse impactar a vida dos goianos nos próximos 4 anos.

 

Pior, não estaremos livres de um ou outro desatino. Vejam a proposta de Daniel Vilela, que antes de ser político profissional tentou uma carreira como jogador.  Segundo revela o jornalista Marcelo Heleno, no Diário Central, ele pretende transformar o Estádio Serra Dourada em uma arena moderna, padrão Copa do Mundo e um shopping center em parte das suas instalações. Só que Goiás jamais teria dinheiro para tanto e, se tivesse, seria desperdício, antes tantas prioridades clamando por soluções.

 

Esse é um desatino.