Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

13 jun

“Todos aqueles sob investigação, confiando na sua inocência, e certos da sua inocência, deveriam pedir licença do PSDB”, insiste João Dória, amigo do peito de Marconi, para quem a frase serve sob medida

É dura a vida do ex-governador Marconi Perillo, semideus da política em Goiás durante 20 anos, mas repentinamente lançado às profundezas do inferno pelas urnas que o massacraram no ano passado e pelo acúmulo de erros cometidos ao longo da sua carreira. O maior amigo de Marconi na política nacional, o governador de São Paulo João Dória, continua insistindo na tese de que os suspeitos de práticas de crimes devem tomar a iniciativa de se afastar do PSDB e permitir que o partido se reapresente com uma nova cara para o eleitorado brasileiro.

 

“Todos aqueles sob investigação, confiando na sua inocência, e certos da sua inocência, deveriam pedir licença do PSDB”, reiterou Dória, nesta semana, na quarta-feira, 12 de junho, Dia dos Namorados, em uma entrevista à BandNews. O governador paulista estava se referindo a alguém que é muito mais próximo a ele que o tucano-mor de Goiás, no caso Geraldo Alckmin, que responde a uma investigação sobre improbidade. Porém, se serve para Alckmin, serve muito mais para Marconi, que padece sob quase duas dezenas de processos, alguns na área criminal chegando até mesmo a mostrar no horizonte a possibilidade de prisão.

 

Para as viúvas de Marconi, que poderiam argumentar que a fala de Dória está restrita a Alckmin e não o alcança, basta conferir o que ele acrescentou: “E volta melhor, depois da licença, com grandeza, com firmeza, com posições altivas, como cabe a um grande líder, que é o caso do governador Geraldo Alckmin. E isso se aplica também a outros”. Pronto. Entre esses “outros” aí, um dos mais destacados é, sem sombra de dúvida… Marconi. Na  recente convenção nacional do PSDB, o ex-governador goiano foi o único dos principais investigados do partido a comparecer, permanecendo o tempo todo ao lado de Dória – gerando imagens incômodas e impudentes. Isso: impudentes e não imprudentes. Significa o mesmo que cara de pau.