Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

24 set

Em 1998 Iris foi derrotado, mas não saiu aniquilado, preservando a influência em Goiânia que o levou a 3 mandatos de prefeito. Marconi, perdendo agora, enfrentará um futuro muito pior que o de Iris

Em 1998, Iris Rezende perdeu uma eleição em que se apresentou com os mesmos argumentos que Marconi Perillo leva hoje aos eleitores – o que havia feito no passado e a falta de experiência do seu adversário, o jovem Marconi, que nunca havia administrado nada na vida.

 

Mas Iris não saiu aniquilado. Ele perdeu mais uma, a eleição para o Senado em 2002, mas se reergueu das cinzas graças ao seu forte resíduo eleitoral em Goiânia, que sobrevive até hoje e deu a ele três mandatos de prefeito.

 

Marconi não tem um colégio eleitoral para chamar de seu. Ao contrário, as pesquisas mostram que ele é superado, por larga margem, por Jorge Kajuru e Vanderlan nas grandes cidades do Estado, onde, se é campeão em alguma coisa, lidera absoluto como o candidato majoritário mais rejeitado. A derrota que se avizinha será total: para o Senado, para o governo do Estado e para a presidência da República. No final das contas, Iris deu a volta por cima. Marconi ficará em situação tão difícil que jamais conseguirá.