Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

30 jan

Assessoria ruim e inexperiente expõe Caiado ao divulgar informação falsa de que a 1º parte da reforma administrativa economizaria R$ 98 mil/mês. Na verdade, serão ridículos R$ 10,7 mil/mês, ou seja… nada

No momento em que o governador Ronaldo Caiado insiste no discurso de calamidade financeira e na necessidade de “cortar no osso” para superar a crise fiscal do Estado, pegou mal a sua assessoria divulgar informações – falsas – de que a 1º parte da reforma administrativa economizaria R$ 98 mil reais por mês ou R$ 5 milhões durante os quatro anos do novo governo.

 

O secretário da Casa Civil, Anderson Máximo, e o líder de Caiado na Assembleia, Bruno Peixoto, deram ampla propaganda para a tal “economia”. O governador, por sorte, nunca se referiu a ela especificamente, falando apenas no geral que a reforma, na sua etapa inicial, diminuiria custos. Mesmo assim, tratou-se de uma derrapada sem tamanho, que afeta a credibilidade do governo – em xeque desde a fatídica decisão de não pagar parte dos salários de dezembro do funcionalismo com a manipulação de argumentos que não convenceram ninguém.

 

Tudo isso é muito grave. Mas, para piorar o que já ficou ruim, o episódio registrou uma vitória moral da oposição: durante a tramitação da reforma na Assembleia, o deputado Gustavo Sebba apresentou um estudo mostrando que, em vez de redução haveria é crescimento da despesa, da ordem de mais de R$ 300 mil reais por mês. Estava certo e até jogou por baixo. Nesta quarta, 30 de janeiro, a Segplan elevou esse número e admitiu oficialmente que, sim, é verdade que, em comparação com a estrutura anterior, a reforma trouxe gastos a mais superiores a R$ 400 mil mensais e em seguida inventou um raciocínio esquisito, em que cortes aqui e ali vão garantir ganhos que, no final das contas, farão com que apenas R$ 10,7 mil sejam economizados. Ah… e veio também a explicação, só agora, de que a 1º etapa da reforma nunca teve a intenção de economizar nada, mas de adequar a máquina administrativa à visão do novo governo. Eles esqueceram de avisar.

 

É uma trapalhada e tanto. Além de fraca, a assessoria de Caiado é sobretudo inexperiente. É nítido que falta unidade e que muitos não sabem o que fazer com clareza, apenas replicando o discurso de austeridade – só discurso, por enquanto – do governador. De maneira atabalhoada, infelizmente.