Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

15 jun

Super-homem: Marconi assume a coordenação nacional de Geraldo Alckmim. Com a própria candidatura ao Senado e a de Zé Eliton ao governo do Estado, agora são 3 campanhas que ele vai comandar

O ex-governador Marconi Perillo, em um momento em que as pesquisas mostram que a sua candidatura ao Senado não entusiasma o eleitorado e que o seu candidato a governador Zé Eliton não deslancha, além de enfrentar rachaduras na sua base de apoio, resolveu dar um passo ousado: a convite de Geraldo Alckmin, assumiu a coordenação política nacional da candidatura presidencial do PSDB.

 

Não há como Marconi fazer esse trabalho daqui de Goiás. Ele terá que viajar para São Paulo e outros destinos, a fim de exercer a tal coordenação e se ausentar da sua base territorial. Alckmin, como se sabe, vai mal. A candidatura não pegou e está moribunda. Em Goiás, o ex-governador enfrenta o desafio de afirmar a sua própria candidatura ao Senado, que apresenta índices de intenções de voto preocupantes na pesquisa e, pior ainda, a do seu poste, Zé Eliton, que também está mal pontuada.

 

Em política, não existe milagre. Ou Marconi cuida da sua candidatura ao Senado ou acha tempo para ajudar Zé Eliton ou se envolve com a coordenação nacional da campanha de Alckmin. Uma ou duas dessas tarefas, ele pode até conseguir. Todas, ao mesmo tempo, só se for um super-homem.