Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

28 set

Zé Eliton foi ousado e imprudente ao escolher Jayme Rincón, notoriamente investigado e estava com pedido de quebra de sigilo, para a função mais importante da sua campanha, a de coordenador-geral

O governador Zé Eliton agiu com uma combinação de ousadia e imprudência ao escolher, para a mais importante função da sua campanha, a de coordenador-geral, o presidente da Agetop Jayme Rincón.

 

Não é de hoje que se sabia que Rincón era alvo de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, envolvido delações de executivos de grandes empresas sobre o repasse de propinas para o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo.

 

Há quatro meses, a Procuradoria Geral da República pediu ao Superior Tribunal de Justiça a quebra do sigilo telefônico de Jayme Rincón e do próprio Marconi, exatamente no contexto das investigações sobre os recursos ilícitos recebidos da Odebrecht que agora motivaram a Operação Cash Delivery.