Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

02 out

A derrota bateu à porta: Operação Cash Delivery tirou 6,5 pontos de Marconi, agora em 4º lugar com 23,2%, e aumentou a sua rejeição para estratosféricos 50,4%

A Operação Cash Delivery foi deflagrada no dia 28 de setembro, uma sexta-feira, quando equipes policiais invadiram endereços do ex-governador Marconi Perillo para ações de busca e apreensão de provas e documentos, com autorização da Justiça Federal, e prenderam seu ex-tesoureiro de campanha Jayme Rincón, que vinha atuando como coordenador-geral da campanha de Zé Eliton.

 

No mesmo dia, o instituto Grupom entrou em campo para fazer a sua última pesquisa nesta eleição. O trabalho durou quatro dias, estendendo-se até esta segunda, 1º de ouburo. Foram captados, assim, os efeitos dos fatos policiais, calamitosos para Marconi, que disputa uma das duas vagas ao Senado – ele sofreu uma queda de 6,5 pontos, saindo de 29,7% e o 1º lugar na pesquisa Grupom de 15 de setembro último para 23,2% agora, correspondendo ao 4º lugar.

 

Mas o pior vem agora: a rejeição de Marconi, que na pesquisa anterior já era monumental, ou 44%, cresceu ainda mais e agora está em estratosféricos 50,4%. Para comparação, o Grupom aponta em 2º lugar Lúcia Vânia com 24,6% de rejeição, Jorge Kajuru com 23,8% e Vanderlan Cardoso com 19,9%.

 

Para o tucano fundador do Tempo Novo, é um desastre completo.