Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

02 out

Pesquisa Grupom desta terça-feira antecipa a derrota total do grupo de Marconi Perillo, que mandou 20 anos em Goiás e chega ao final com a Polícia Federal nos seus calcanhares

A pesquisa Grupom desta terça-feira, parcialmente publicada pelo Diário da Manhã, mas complementada por este blog quando aos números para o Senado, antecipa a derrota total que o grupo do ex-governador Marconi Perillo, depois de mandar 20 anos em Goiás, experimentará no próximo domingo.

 

Até a sexta-feira passada, 28 de setembro, data fatídica da deflagração da Operação Cash Delivery, quando equipes da Polícia Federal vasculharam endereços de Marconi e prenderam seu ex-tesoureiro de campanha Jayme Rincón, sabia-se que o naufrágio estava a caminho, com a inviabilidade da candidatura de Zé Eliton, mas imaginava-se que, com um pouco de sorte, o ex-governador tucano poderia escapar e, ainda que raspando na trave, se eleger para o Senado.

 

A Cash Delivery jogou todas as chances de sobrevivência eleitoral, já pequenas, pelo ralo. Segundo o Grupom, Marconi agora é o 4º colocado na corrida senatorial, 6 a 7 pontos atrás dos líderes Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso. E passou a enfrentar uma rejeição monstruosa, com mais da metade dos goianos citando o seu nome ao responder à pergunta “Em quem você não votaria de jeito nenhum?”.

 

É o fim de uma era. Com a Polícia Federal correndo atrás.