Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

11 out

Silêncio de Zé Eliton sobre o drama de Marconi, ainda mais quando o coordenador-geral da campanha do PSDB, Jayme Rincon, foi flagrado com mais de R$ 1 milhão em dinheiro vivo, é deslealdade

O governador Zé Eliton tem se esforçado para ficar longe do rolo que resultou na prisão do ex-governador e candidato derrotado ao Senado Marconi Perillo, mas, antes, capturou também o coordenador-geral da campanha do PSD, e, portanto, da campanha do Zé, o ex-presidente da Agetop Jayme Rincón.

 

Quando Rincón foi levado pela Polícia Federal, Zé Eliton apressou-se a dizer que a sua campanha não estava envolvida na estória. Mas, veja bem, leitor: como é que o seu coordenador-geral é apanhado com uma montanha de dinheiro às vésperas da eleição e ele não tem nada a ver com nada? Por que Zé não mostrou indignação com as estrepolias monetárias do auxiliar a quem entregou a pasta estadual que mais gasta com obras?

 

Muito difícil de acreditar que Rincón agiu sozinho ou por conta própria. E agora, com a prisão de Marconi, por crimes iniciados em 2010 e 2014, campanhas em que Zé estava mergulhado até o pescoço como candidato a vice-governador, as coisas se complicam ainda mais. E novamente vem ele, o Zé, alegando que, como não tem nada a ver, nem sequer se pronunciará sobre o martírio do seu companheiro de chapa e de governo.

 

Isso, em política, tem um nome: deslealdade. Ronaldo Caiado pode falar sobre isso, já que Zé beijava as suas mãos no passado e depois passou a atirar pedras. O governador poderia, por exemplo, dar uma declaração protocolar, dizendo confiar na inocência de Marconi e ter certeza de que ele vai esclarecer as acusações de recebimento de propinas. Ou, como advogado experiente, afirmar que o que sabe do processo em curso contra o tucano-chefe é inconsistente e não justifica medidas extremas. Mas nada disso quis fazer. Transformado em elemento tóxico para quem está nas suas proximidades, o ex-governador que se dane – parece rezar a filosofia de vida do Zé.