Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

30 jan

Lágrimas no Palácio: Caiado esculhamba deputados, diz que o poder de “nomear” o presidente da Assembleia é do governador, chama Lucas Calil de “inimigo” e joga Dr. Antônio em crise de choro

Beiram o inacreditável os acontecimentos da madrugada desta quarta-feira, 30 de janeiro, dentro do Palácio das Esmeraldas.

 

Logo no começo da noite, Caiado iniciou uma operação para chamar deputados estaduais para uma conversa sobre a escolha do novo presidente da Assembleia e reafirmar que o seu candidato é Alvaro Guimarães, de cuja eleição não abre mão.

 

Quem atendeu ao convite se arrependeu. Extrapola todos os limites da diplomacia e cortesia política o que Caiado disse. O tom que ele adotou foi de esculhambação, chamando deputados da sua base e que o acompanham pioneiramente desde a campanha, como Iso Moreira e Dr. Antônio, de “traidores” – claro, em razão de terem se engajado no movimento que defende a independência da Assembleia e a definição de um presidente não submisso ao Executivo. Cláudio Meirelles, outro que apoiou Caiado, também recebeu o mesmo adjetivo. Influenciado pelo colega Diego Sorgato, do PSDB, mas próximo ao governo, Lucas Calil cometeu o erro de também ir ao Palácio e acabou sendo chamado de “inimigo” pelo governador, além de presenciar os horrores que foram ditos ao Dr. Antônio, que entrou em crise convulsiva de choro.

 

Caiado foi duríssimo. A vários deputados, reafirmou que o direito de “nomear” o presidente da Assembleia é do governador. Garantiu que não aceita o voto contrário a Álvaro Guimarães e que considera a articulação de um bloco de 23 parlamentares para eleger Lissauer Vieira para a presidência como uma declaração de guerra da Assembleia. Lembrou que o seu nome é Ronaldo Ramos Caiado e que não é da sua natureza ceder a chantagem ou, pior ainda, a extorsão. Quem ouviu, ficou perplexo. Um dos deputados disse a este blog que “jamais seria capaz de imaginar um governador fazendo e falando o que Caiado fez e falou”.

 

O resultado? Lissauer Vieira está consolidado como o próximo presidente da Assembleia. E Caiado vai passar à história como o 1º governador, depois da redemocratização (1982) a ser derrotado em uma eleição para o comando do Legislativo.