Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

06 mar

Glaustin da Fokus quer punir uma escola de samba por levar Jesus enfrentando o demônio para a passarela, mas Jesus, se voltasse, certamente daria um belo puxão de orelhas no intolerante deputado goiano

À falta do que fazer, o deputado federal por Goiás Glaustin da Fokus  resolveu implicar com uma escola de samba, a tradicionalíssima Gaviões da Fiel, de São Paulo, por ter levado para a passarela a encenação de um combate entre Jesus e o demônio em pessoa. “Assisti estarrecido às cenas do desfile(vejam foto acima, leitora e leitor). Como integrante da Frente Parlamentar Evangélica, também repudio e expresso minha indignação ao que foi apresentado pela escola: um espetáculo de desrespeito a todos os cristãos. Manifestações dessa natureza estimulam o desrespeito e a intolerância, caminho inverso àquele que nós, brasileiros, estamos buscando consolidar continuadamente”.

 

Não, deputado, nada disso. Não houve desrespeito algum. O próprio Jesus, se cumprisse por esses dias a promessa de voltar, trataria de dar um puxão de orelhas – talvez até umas chibatadas, como fez com os mercadores do tempo –  em quem, como Glaustin, mostra preconceito e incompreensão diante da sua aparição em pleno carnaval. Jesus foi um homem extremamente indulgente, que andava acompanhado por prostitutas, ladrões e coletores de impostos, gente muito malvista tanto naquela época quanto hoje, e gostava de beber, tanto que o seu primeiro milagre foi transformar água em vinho, hábito consagrado até pelo ritual da santa missa. Protestou contra a perseguição a mulheres adúlteras, barra pesadíssima no seu tempo, e morreu perdoando dois perigosos malfeitores, Dimas e Gesta, que foram crucificados ao seu lado. Teve, enfim, uma vida exemplar em matéria de compaixão e condescendência, isso, sim, a verdadeira essência misericordiosa do cristianismo. Modernamente, Jesus poderia ser definido como um líder politicamente correto e defensor radical da liberdade de expressão. Provavelmente seria até vegano.

 

Este blog não tem dúvidas de que Jesus ficaria feliz com a sua representação em um espetáculo popular como um desfile de escolas de samba – e chateado com manifestações ferrabrás tipo a do seu equivocadíssimo seguidor deputado Glaustin.