Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

11 set

Indicação de Raquel Teixeira para a vice de Zé Eliton, supostamente para representar as mulheres, não rendeu pontos nas pesquisas, conforme mostra o levantamento do Serpes

A indicação da professora e ex-secretária de Educação Raquel Teixeira para a vice de Zé Eliton não trouxe nenhum resultado nas pesquisas.

 

Ao ser escolhida, Raquel foi anunciada como a representante das mulheres na chapa do PSDB, mas a última pesquisa Serpes/O Popular, publicada no domingo passada, mostra que, entre o eleitorado feminino, Zé Eliton continua bem atrás de Ronaldo Caiado, que tem 38%, enquanto o candidato tucano não passa de 10,1%, mesmo índice que ele vem exibindo desde a primeira pesquisa do Serpes neste ano. Na pesquisa do instituto Diagnóstico, publicada nesta terça no Diário da Manhã, Zé Eliton, entre as mulheres, tem índice parecido, 11,5%, também sem variação em relação à pesquisa passada.

 

Na verdade,  Raquel Teixeira configura apenas mais um erro de estratégia de Zé Eliton, dos muitos que ele cometeu e continua cometendo. Raquel Teixeira representa na chapa, isso sim, o fracasso da articulação política dentro da base governista. Só depois que falharam as tentativas de inclusão de partidos fortes como o PP, o PRB ou o PDT (para não falar no PROS e no PHS), é que ela foi chamada – não por ser mulher ou por representar esse público. Ela tornou-se candidata a vice por falta de opção dos tucanos.