Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

15 set

Para o publicitário Hamilton Carneiro, frente gigantesca de Caiado não é resultado de marketing, mas do desejo de mudança da sociedade. Além de Zé Eliton, Marconi também pode ser derrotado

Em entrevista à rádio Sagres, o experiente publicitário Hamilton Carneiro(foto), que já fez 36 campanhas majoritárias e não está trabalhando nesta, afirmou que os adversários de Ronaldo Caiado não providenciaram antes uma estratégia de combate a ele e que, por isso, ele ficou à vontade para acumular uma frente gigantesca, que não é produto de marketing, mas do desejo de mudança que está na sociedade. “Um ciclo chegou ao fim e outro vai começar”, disse Hamilton, anotando que Caiado é quem encarna esse sentimento e dá aos goianos a segurança de que se transformará em realidade.

 

Hamilton Carneiro analisou a campanha do governador Zé Eliton, que não conseguiu fazer o tucano crescer um único ponto nas pesquisas. “Tentar popularizar um candidato fugindo do perfil dele não dá resultados. É uma imagem que se destrói com facilidade, que não se sustenta”, avaliou o publicitário.

 

Para ele, o Estado tem índices significativos de crescimento e muitos avanços que a campanha governista está mostrando nos programas de televisão, sem resultados “porque estamos no final de um ciclo, é o povo que determina esse fim, o povo pensa que as obras, os programas são obrigação, que os governos têm que fazer mesmo, portanto o poder de convencimento dessa estratégia é baixo”.

 

Respondendo a uma pergunta de Cileide Alves, Hamilton Carneiro admitiu a hipótese de que esse “fim de ciclo” possa também atingir a candidatura do ex-governador Marconi Perillo ao Senado. “Ele pode ser tragado, sim, todos sabem que o Zé Eliton é o candidato dele e a derrota pode acabar sendo comum para os dois”.