Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

22 set

Faltam só 15 dias para a eleição: estratégia da campanha tucana, que é mostrar o que foi feito e exigir o voto de gratidão, fracassou redondamente, mas mesmo assim eles continuam insistindo

A apenas 15 dias da eleição, as pesquisas que se sucedem mostrando Ronaldo Caiado furando o teto e ampliando a sua frente, enquanto Zé Eliton segue empatado com Daniel Vilela em 2º lugar, evidenciam com clareza que a estratégia adotada pela campanha tucana – exibir o que foi feito e exigir o voto de gratidão – não funcionou.

 

Desde a eleição de 1998 que o eleitor não mostrava tanta vontade para votar olhando para o futuro e sem considerar o passado. Isso está óbvio nos resultados de todas as pesquisas, as sérias, com certeza. Mas, mesmo assim, a máquina eleitoral do governismo continua moendo o mesmo argumento que já se provou ineficaz: nós, que fizemos tudo o que está aí, contra eles, que não fizeram nada. E o resultado é que as pesquisas não mudam e o Zé segue afundando a cada uma que é publicada.

 

Por que a campanha tucana não consegue abandonar um caminho que não leva a lugar nenhum ? Por que não reage, aceitando passivamente os maus números trazidos pelas pesquisas? Por que não abandona o discurso do Estado “terra de sonhos” e “mar de rosas”, que se mostrou infrutífero até agora?

 

Em postagens neste sábado nas redes sociais, Marconi Perillo e Zé repisam a mesma patacoada de sempre: citam obras e programas dos últimos 20 anos para repetir que eles é devem ser eleitos para manter tudo como está. Nem com a iminência de uma derrota acachapante alteraram uma linha que seja de um script que o eleitor nitidamente rejeita.

 

Os tucanos de Goiás sempre foram bons de serviço. E agora estão confirmando essa fama ao ajudar a construir a derrota que vai aniquilar com eles.