Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

22 set

Medalhões da campanha de Zé e Marconi entram em desespero e tentam desacreditar o Ibope para tirar a militância do desânimo que baixou após a pesquisa Ibope/TV Anhanguera

Liderados pelo ex-governador Marconi Perillo, alguns medalhões da campanha governista se esforçam, neste sábado, para contestar a pesquisa do Ibope que deu 47% das intenções de voto para Ronaldo Caiado e trouxe Zé Eliton e Daniel, como sempre, empatados no 2º lugar na faixa dos 10 a 13%, dentro da margem de erro.

 

Marconi, em um áudio que circula na internet, dá a nítida impressão de que está à beira de um ataque de nervos: acusa o Ibope, instituto que trabalha para a Rede Globo, de ter vendido a pesquisa para a campanha de Caiado.

 

Seria a primeira vez que alguém, liderando as pesquisas, como Caiado lidera, “compraria” uma pesquisa. Isso não tem sentido. Quem manipula (“compra) pesquisas é quem está atrás, caso da “virada” anunciada pela campanha de Zé Eliton a partir de uma pesquisa do instituto Directa, onde o candidato tucano apareceu com 26,2% das intenções de voto, em total desalinhamento com todos os outros levantamentos.

 

E se houve algo de errado com o Ibope, onde estão as provas?

 

O problema é que a militância sentiu o baque – e o motivo é o que este blog vem dizendo há algum tempo: Marconi e Zé faltaram com a verdade ao espalhar a “fake news” da virada que nunca aconteceu e só se baseou em uma pesquisa de nenhuma credibilidade. Disseram à tropa que Zé estava crescendo, que o 2º turno já estava garantido e o pessoal ingenuamente acreditou. Vem o Ibope e mostra que nada disso corresponde à realidade e que, pior ainda, o próprio Marconi está ameaçado de perder a eleição, ao aparecer em empate técnico em 1º lugar com Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso, pela diferença de um ponto.

 

É um fim de semana lúgubre para a base governista.