Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

23 set

Um governo sofrível jamais receberá dos goianos mais 4 anos de mandato. Essa é a situação do Zé. O problema para os tucanos é que ele está arrastando para o buraco as candidaturas de Marconi e Lúcia Vânia

Venhamos e convenhamos: nem a base governista nem seu maior líder Marconi Perillo, com a experiência de 20 anos de poder e cinco eleições bem sucedidas, jamais confiaram cegamente nas possibilidades de Zé Eliton como representante do maior agrupamento político de Goiás nas eleições desse ano.

 

Zé nunca disputou uma eleição e, sabidamente, não tem carisma ou qualidades pessoais excepcionais. Alcides Rodrigues, que os tucanos tanto criticam, foi melhor candidato que ele e a esta altura, em 2006, já estava em tendência de alta, a poucos pontos do líder das pesquisas de então, Maguito Vilela. Alcides, como se sabe, triunfou. Zé…

 

O malogro do seu candidato a governador representa um prejuízo sem tamanho para os tucanos de Goiás. Claro. Mas nada se compara à derrota da sua maior figura, Marconi, que se encontra em situação delicadíssima, empatado com Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso por apenas um ponto de diferença, segundo o Ibope. Marconi tem qualidades para ser eleito ao Senado. Mas, a esta altura do campeonato, está claro que os goianos estão em dúvida sobre isso.

 

Zé não vai ser eleito porque não tem sentido os goianos estenderem por mais quatro anos um governo que é majoritariamente avaliado como regular, péssimo e ruim (67% pensam assim, na pesquisa do Ibope). Mas Marconi e Lúcia Vânia, que não têm grande coisa com isso, estão sendo arrastados para o mesmo buraco. A ruindade de Zé vai além dele e contamina a chapa inteira. É um desastre anunciado o que vem vindo aí.