Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

24 set

Candidatos governistas desaprenderam a fazer campanha: nesta segunda, programas de televisão de Zé, Marconi e Lúcia Vânia trouxeram overdose de passado – para um eleitor que só quer saber de futuro

Os programas de televisão de Zé Eliton, Marconi Perillo e Lúcia Vânia, na noite desta segunda-feira, trouxeram um overdose de passado, em alguns casos uns repetindo o outro, como Zé mostrando a Renda Cidadã e a Bolsa Universitária e Marconi fazendo o mesmo. Zé foi ao paroxismo ao alegar a seu favor até a construção de uma pista de skate – imagine só, leitor: uma pista de skate…

 

Lúcia não citou realizações dos governos tucanos em Goiás, mas detalhou conquistas que teria trazido com a sua atuação no Senado, como, por exemplo, a implantação de 48 creches.

 

Onde é que esses candidatos e seus marqueteiros e comunicadores estão com a cabeça? Em que mundo? Quem disse a eles que eleitor vota em sinal de gratidão por tudo o que já foi feito?

 

Eleitor vota pensando no futuro e avaliando o que candidato representa para os dias que virão. O passado só entra em consideração quando se trata de punir alguém, caso de Marconi, que caminha para pagar nas urnas os erros que cometeu e continua cometendo.

 

O que, no começo, era apenas a derrota de Zé Eliton, símbolo da continuidade indesejada, evoluiu e se transformou na cabeça do eleitor na oportunidade de passar Goiás a limpo, aproveitando as candidaturas de Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso para vassourar Marconi e Lúcia Vânia também. E os dois, com a série de equívocos que protagonizam, parecem que estão pedindo para serem expulsos do jogo.