Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

24 set

Reta final obriga campanhas de Zé Eliton e Daniel a parar de atacar Caiado, no rádio e televisão, para não correr o risco de direitos de resposta ou cortes punitivos nos últimos programas

A reta final da eleição – que será realizada daqui a 12 dias – obriga as campanhas de Zé Eliton e Daniel Vilela a parar de atacar Ronaldo Caiado, o líder absoluto das pesquisas, para fugir de punições como o direito de resposta ou a suspensão dos seus programas no rádio e na televisão.

 

Zé Eliton, em especial, aprendeu que as decisões da Justiça Eleitoral, quanto à utilização do horário eleitoral para críticas mais pesadas e desrespeitosas, podem ter gosto amargo. A sua campanha foi punida várias vezes por exagerar no tom contra o adversário democrata e perdeu mais de 40 pílulas no rádio e na televisão, teve um programa retirado no ar na TV, outro parcialmente cortado no rádio e ainda ganhou uma multa de R$ 105 mil reais.

 

A partir de agora, todo cuidado é pouco. Como só faltam cinco dias de programas, qualquer erro na dosagem das críticas a Caiado pode acabar em perda de tempo ou em direitos de resposta e assim prejudicar os programas finais de Zé e Daniel Vilela, em especial o último, que são essenciais para uma despedida e um fechamento adequado da campanha.