Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

26 set

Pesquisa Real Time/TV Record mostra que Zé Eliton é mesmo um fiasco: em 2 meses, da última rodada para esta, cresceu apenas um ponto (tinha 17% em 31 de julho e agora oscilou para 18%)

A base governista se agarra a qualquer graveto para tentar não ser tragada pela correnteza: na noite desta quarta-feira, “comemora” o índice de 18% que Zé Eliton obteve na pesquisa Real Time/TV Record, divulgada agora há pouco.

 

Mas não há nada o que festejar. Zé, na pesquisa passada do mesmo Real Data, publicada em 31 de julho, tinha 17%, o que significa que, de lá para cá, praticamente dois meses, cresceu apenas… um ponto. Na linguagem técnica das pesquisas, como essa alta ficou dentro da margem de erro (3 pontos para mais ou para menos), não pode nem ser chamada de crescimento e sim de oscilação. E isso com campanha de rua, maior tempo na televisão, 200 prefeitos e a poderosa máquina governista em ação.

 

Já Ronaldo Caiado, pelo mesmo critério, ou seja, a comparação entre os índices que alcançou nas pesquisas do Real Data de 31 de julho e desta quarta, é um foguete. O candidato democrata tinha 35% e agora pulou para 43%, crescimento maiúsculo de 8 pontos percentuais.

 

Até Daniel Vilela se saiu melhor que o Zé: saiu de 7 para 10%, oscilando, portanto, dentro da margem de erro, mas subindo 3 vezes mais que o Zé.