Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

27 set

Irresponsabilidade fiscal matou o programa Bolsa Universitária, que não paga as universidades e faculdades há 6 meses, acumula dívida de R$ 60 milhões e não tem condição de ser mantido em 2019

A irresponsabilidade fiscal dos governos tucanos matou – o verbo não é nenhum exagero e apenas retrata o que aconteceu – o programa Bolsa Universitária, que aparece quase todo dia na propaganda televisiva de Zé Eliton e Marconi Perillo como uma das grandes realizações dos governos do PSDB.

 

Nesta quarta-feira, o professor Jorge de Jesus Bernardo, presidente do sindicato das universidades e faculdades que atuam em Goiás, veio a público para revelar a verdade: faz seis meses que os pagamentos da Bolsa Universitária foram suspensos, acumulando uma dívida de R$ 60 milhões e comprometendo os estudos de 20 mil universitários goianos.

 

Não existe a menor possibilidade de que esse débito venha a ser quitado a curto ou a médio prazo, o que inviabiliza a continuidade da Bolsa Universitária no ano que vem, a menos que as entidades mantenedoras do ensino superior aceitem continuar atendendo aos estudantes sem receber.

 

Esse fato, gravíssimo, atesta que o Estado quebrou. Todos os recursos, hoje, estão sendo desesperadamente direcionados para o pagamento da folha de pessoal, que não pode atrasar, pelo menos até a data da eleição. Parcelas de empréstimos consignados são descontadas dos servidores, mas não repassadas aos bancos. Ipasgo implantando cotas para atendimento em hospitais e laboratórios. Cartões do Passe Livre Estudantil sem novos carregamentos. Hospitais em estado de coma, sem dinheiro sequer para agulhas e gaze. Dívida estadual postergada. A situação é gravíssima. É uma bomba fiscal, que vai explodir depois da eleição.

 

Mais quatro anos desse caos e não sobrará pedra sobre pedra.