Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

29 set

Dinheiro vivo encontrado com motorista de Jayme Rincón muda o rumo das investigações da Operação Cash Delivery e pode levar a consequências desastrosas para Zé Eliton e Marconi

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram a Operação Cash Delivery, um caso antigo sobre propinas que a Odebrecht teria repassado ao então governador Marconi Perillo, através de Jayme Rincón, nas campanhas de 2010 e 2014.

 

Mas aí, nas ações policiais desta sexta-feira, eis que a operação trombou com quase R$ 1 milhão de reais em dinheiro vivo, na casa de um motorista de Jayme Rincón, entronizado há cerca de um mês como coordenador-geral da campanha do PSDB em Goiás.

 

Surpresa. Novidade. A Operação Cash Delivery prossegue, mas um novo rumo e uma nova motivação apareceu. De onde vieram os pacotes de papel moeda que estavam na casa do motorista de Rincón? Para que serviriam? Sendo ele o coordenador-geral da campanha de Zé Eliton, essa pequena fortuna seria utilizada em ações eleitorais a favor do candidato tucano, ilicitamente?

 

Essas questões são da maior gravidade. Foi assim que, no Rio de Janeiro, a primeira operação da Lava Jato contra Sérgio Cabral esbarrou em indícios de outras irregularidades, depois em outras e outras até desvendar um dos maiores esquemas de corrupção da história do país e quem sabe do mundo.

 

Marconi Perillo e Zé Eliton que se cuidem.