Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

29 set

Operação Cash Delivery e prisão de Jayme Rincón derrubam eleitoralmente Marconi, porque ele já estava empatado com Kajuru nas pesquisas e não tem gordura para queimar

Daqui até a data da eleição, o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo e seus seguidores não terão uma noite de sono de tranquilo. A Operação Cash Delivery, que prendeu Jayme Rincón e acusa Marconi de ser o destinatário de mais de R$ 10 milhões de propinas da Odebrecht, veio em um momento difícil para o tucano-chefe de Goiás – apontado pelas pesquisas como empatado tecnicamente com Jorge Kajuru e Vanderlan Cardoso.

 

É aí que está o drama maior de Marconi. A sua situação na disputa pelas duas vagas no Senado já estava caracterizada como dolorosa e dependendo, para chegar a um resultado positivo nas urnas, de muita sorte e muita luta. A Cash Delivery explodiu quando ele já não tinha nenhuma gordura para queimar. O calor, assim, está consumindo parte da sua própria musculatura. Ninguém acredita que um candidato, em qualquer lugar do mundo, consiga sair incólume de um ataque tão forte contra a sua pessoa, como foi a operação da Polícia Federal em relação a Marconi.

 

Perder votos, é claro que vai. O xis da questão é que Marconi, que vinha mal na pesquisas, não pode se dar ao luxo de abrir mão de um único. Portanto, a conclusão a que se chegar é a de que o pior dos mundos se abriu para o ex-governador: a derrota pura e simples daqui a sete dias.