Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

06 out

Cientistas políticos precisam se debruçar sobre o maior fenômeno desta eleição em Goiás e procurar uma explicação: como Marconi conseguiu ser rejeitado por mais de 50% dos goianos?

A última pesquisa do Grupon, instituto de inquestionável credibilidade, apurada em campo após a Operação Cash Delivery, trouxe o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo com mais de 50% de rejeição.

 

É um índice, leitor, que nunca foi alcançado por político algum em toda a histórias das eleições majoritárias aqui em Goiás. Significa que mais da metade dos goianos cita o nome de Marconi quando ouve a pergunta: “Em quem você não votaria de jeito nenhum?”. É muito. É demais.

 

Por que a maior liderança política do Estado nos últimos 20 anos, aquele que venceu cinco eleições seguidas (quatro para o governo e uma para o Senado), além de eleger o poste Alcides Rodrigues em 2006, passou a ser vista com tanto repúdio pelo eleitorado?

 

É uma pergunta que cabe aos cientistas políticos responder.