Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

08 out

Em carta-testamento logo após a derrota, maior do que se esperava, Marconi continua falando de passado (“meu legado”), não faz autocrítica nem reconhece ter cometido erros

Na noite de domingo, logo após confirmada a sua derrota – em termos piores do que se esperava, já que ficou em 5º lugar – o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo distribuiu uma nota oficial comentando a sua queda.

 

Foi uma espécie de carta-testamento, em que ele, como fez durante toda a campanha, falou de passado, do tal “legado” que teria deixado para os goianos e a história – “um marco sem precedentes de realizações, de transformações, de transparência e de honestidade”, exagera. Fez alguns agradecimentos e sugeriu que vai se afastar da política, pelo menos por um bom tempo, para se dedicar “à minha família, à minha saúde, aos meus amigos e ao meu primeiro neto, que em breve virá ao mundo”. Não mostrou nenhuma autocrítica nem admitiu ter cometido qualquer erro.

 

Marconi, definitivamente, deixou de ser Marconi. Vai ser muito difícil voltar.