Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

09 out

Mitos que a eleição derrubou(4): candidato da máquina governista sempre tem 30% dos votos, seja ele quem for, mas… dessa vez, nesse papel, Zé Eliton foi tão ruim que não passou de 13,7%

Uma das regras mais cultivadas da história das eleições em Goiás reza que o candidato apoiado pela máquina governista tem sempre 30% dos votos, no mínimo, em qualquer circunstância, só em razão da sua base de apoio.

 

Dessa vez, não. O representante das forças do governo Zé Eliton teve apenas 13,7%, chegando no final em 3º lugar atrás de Daniel Vilela, que não teve uma fração dos recursos, estrutura e sustentação que estiveram a favor do Zé.

 

A votação do candidato governista foi, digamos assim, pouco superior a de um nanico, tanto que ficou a distância mínima de Kátia Maria, do PT, que alcançou 9,16% nas urnas – em Goiás, o PT é praticamente um partido nanico.

 

Zé foi um fiasco tão grande que desmoralizou até as leis gerais da política.