Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

04 dez

Distribuição de incentivos fiscais a torto e a direito, sem critério, que foi a regra dos governos Marconi, “não resultou em benefícios para a sociedade”, diz economista a O Popular

Aos poucos, a versão de que o Tempo Novo  do ex-governador Marconi Perillo e seus seguidores foi um período virtuoso para o Estado de Goiás vai sendo desmontada e jogada no chão.

 

Agora, o que está em discussão é a política de incentivos fiscais, que foram distribuídos a torto e a direito nos últimos 20 anos, “sem benefícios para a sociedade”, segundo a visão do economista Adriano Paranahyba, em entrevista a O Popular.

 

Leia: “O economista Adriano Paranaíba avalia que a política atual (de incentivos fiscais) traz pouco benefício social diante do volume concedido e que isso é feito por muito tempo. ‘A política industrial de Goiás é a mesma da década de 1980. Incentivos e construção de distrito agroindustrial. A economia é a mesma da década de 1980?'”, pergunta Adriano Paranahyba.

 

Claro que não é. Mecanismos estáticos de estímulo ao desenvolvimento, como a perpetuação dos incentivos fiscais, são retrógrados, portanto. A propalada modernização do Estado, que teria ocorrida nas últimas duas décadas, não seria, assim, uma verdade. As distorções são muitas e se acumularam, transformando-se em desafio para o novo governador, Ronaldo Caiado.