Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

21 dez

Com o caso de Fátima Gavioli, tudo indica que Caiado precipitou-se na presunção de que, se são de fora, nomes que escolheu para o seu secretariado são melhores que os daqui mesmo de Goiás

Não é normal, em qualquer um dos 27 Estados brasileiros, que um governador faça a montagem da sua equipe de auxiliares buscando maciçamente nomes de fora, a exemplo do que Ronaldo Caiado está fazendo em Goiás.

 

Dos nomes anunciados até agora pelo novo governador, a maioria vem de outros Estados – estratégia que ele, Caiado, ainda não explicou, mas sendo possível supor que ele está procurando talentos sem contaminação política estadual e possivelmente superiores do ponto de vista técnico aos quadros disponíveis em Goiás.

 

Em pelo menos um caso, o da professora e ex-secretária de Educação de Rondônia Fátima Gavioli, houve nítida precipitação: Caiado não examinou os antecedentes da secretária de Educação que ele escolheu. Não sabia, por exemplo, que ela é radicalmente contra as escolas militares – as jóias mais valiosas da coroa da Educação em Goiás, que o próprio governador eleito elogia e defende como modelo bem sucedido de ensino.

 

Muito menos percebeu que o currículo de Fátima Gavioli é insuficiente para justificar a sua “importação” em detrimento de valores disponíveis dentro do Estado, principalmente nas suas esferas acadêmicas. O doutorado que ela possui não é na área de Educação e sim de Psicologia. E a experiência, como secretária de Educação de Rondônia, compreende uma realidade completamente diferente, pouco urbanizada, em que 50% das escolas atendem a populações ribeirinhas altamente precarizadas, algo que não existe em Goiás nem remotamente. Para piorar, vem de um mergulho na política partidária, tendo sido candidata a deputada estadual pelo PSB em Rondônia – eleição que perdeu com menos da metade dos votos necessários.

 

Caiado ainda não teve a oportunidade de esclarecer o motivo de trazer tantos nomes de fora para o seu secretariado. Ele precisa falar sobre isso.