Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

29 dez

O triste fim de Zé Eliton, inventado para a política por… Caiado, que Marconi cometeu o erro de cooptar, virou coveiro do mais sólido sistema político que jamais houve em Goiás e agora é nada mais que pó

Daqui a três dias, em uma rápida cerimônia no Palácio das Esmeraldas, Zé Eliton dirá palavras protocolares, debaixo de muita tensão, entregará o governo a Ronaldo Caiado e sairá – já disse que será pela porta de frente – para enfrentar as vaias e retornar ao destino que nunca deveria ter abandonado, o de advogado eleitoralista competente e atuante.

 

Zé voltará à planície sem deixar nada pelo que ser lembrado algum dia, a não ser o equívoco da sua candidatura, que acabou o transformando em coveiro do Tempo Novo, nada mais nada menos que o mais sólido e duradouro sistema político que jamais houve em Goiás… e agora virou pó.

 

Esse é o “legado” do Zé, o que restou da sua pretensão de fazer um “governo” de nove meses, que acabou no desastre da candidatura à própria sucessão classificada em 3º lugar, com pouco mais de 13% dos votos dos goianos, um número ridículo diante da força e grandeza da base política que representou. E o pior: com índices escandalosos de rejeição, que a essa altura devem ser muito maiores devido à revelação de que o discurso de campanha, que apresentava um Estado forte e atuante, não passava de uma mentira corroída pelo bolor do que verdadeiramente se passava nos bastidores do governo – um descalabro financeiro e administrativo, só.

 

Marconi Perillo, talvez o maior experiente líder do político de Goiás, caiu no engodo do Zé, bancando a sua candidatura ao governo, da mesma forma que, antes, Ronaldo Caiado também. Sim, foi Caiado quem inventou o Zé para a política, ao tomar a decisão sem pé nem cabeça de indicá-lo como vice de Marconi em 2010. Um antecedente que só traz preocupação, agora que Caiado, com a mesma imprevidência, pode estar escolhendo outros “Zés” para a sua equipe de governo – e olha, leitor, que alguns dos secretários anunciados têm muita semelhança.

 

Zé parte sem deixar saudades.