Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

07 jan

Ainda sem um rumo e sem agenda, Governo Caiado completa uma semana sem orçamento, sem data para pagar a folha de dezembro, tem cada vez mais parentes e não fez sequer reunião do secretariado

O governo de Ronaldo Caiado completou uma semana emitindo sinais preocupantes: não apresentou nenhuma agenda para Goiás, parece não ter ainda um rumo definido, carece de requisitos mínimos como, por exemplo, um orçamento para 2019, não definiu até hoje como e quando pagará a folha de pessoal de dezembro, está sendo loteado entre parentes do governador e não providenciou nem o mínimo, que seria uma reunião do secretariado – absolutamente normal e mesmo indispensável em início de gestão, para passar orientações aos membros da equipe.

 

Em discursos, entrevistas e manifestações nas redes sociais, Caiado é praticamente o mesmo da campanha. Continua prometendo resolver os problemas do Estado, mas de forma genérica e aleatória. Os secretários que assumiram não receberam uma diretriz para a suas áreas e dão declarações repletas de boas intenções, mas sem mostrar projetos concretos ou, pelo menos, um diagnóstico das suas áreas.

 

Com vários parentes já nomeados, Caiado surpreendeu ao substituir um primo… por outro, na presidência da Agetop. Saiu Aderbal Ramos Caiado, que não ficou no cargo nem quatro dias, entrou Ênio, com o mesmo sobrenome. E, pior ainda, Aderbal foi para outro posto na equipe.

 

É um dos começos de governo mais estranhos da história de Goiás.