Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

21 jan

Sonho dourado de Caiado é a recuperação fiscal. O de Marconi, a recuperação política. Nem um nem outro vão chegar lá, mas Caiado ainda pode fazer um bom governo, enquanto Marconi perdeu tudo

O governador Ronaldo Caiado e o ex-governador Marconi Perillo têm, cada qual, um sonho dourado. Caiado almeja inserir Goiás no Regime de Recuperação Fiscal do governo federal e ganhar facilidades inimagináveis para viabilizar financeira o seu governo. Já Marconi, destronado depois de 20 anos como senhor inconteste da política estadual, só pensa em um Regime de Recuperação Política, feito sob medida para ele, capaz de permitir a sua volta à mesa de decisões do Estado, com a superação dos desgastes impostos pelas ações policiais de que é alvo, pela erosão do seu prestígio pela longa permanência à testa do poder e pela confluência de tudo isso – que foi a derrota acachapante que sofreu na última eleição, ao terminar em 5º lugar na eleição para o Senado.

 

Mas uma avaliação fria dos fatos evidencia que nem um nem outro vão chegar lá. A situação fiscal de Goiás é grave, sim. O problema, para o novo governador, é que não é gravíssima. O Estado passa por vicissitudes nas suas finanças, mas não a ponto de se inviabilizar, como aconteceu, por exemplo, com o Rio de Janeiro, única unidade da Federação a ser admitida até hoje no Regime de Recuperação Fiscal, depois de conhecer o caos. Muito, muito diferente de Goiás. E tanto assim que o primeiro relatório de 2019 da Secretaria do Tesouro Nacional foi enfático ao apontar a avaliação técnica do Estado como insuficiente, quanto aos seus números fiscais, para ser inserido no RRF.

 

E Marconi? Poucas vezes na história um político se desgastou tanto como ele, acumulando envolvimento em casos de corrupção, fadiga de poder, recorde nacional em matéria de rejeição popular e a cristalização dessas péssimas condições em um fiasco eleitoral como nunca visto, coroando uma trajetória de 7 eleições vitoriosas com uma derrota simplesmente espetacular – além do 5º lugar geral na corrida senatorial, ficou em 6º nos 3 maiores colégios do Estado (Goiânia, Anápolis e Aparecida) e perdeu em 245 dos 247 municípios goianos, levando junto seu partido, o PSDB, e a maioria esmagadora dos políticos do seu grupo. Não há gigante que, tendo se reduzido à condição de anão de uma forma tão drástica, tenha conseguido se levantar das cinzas e recuperar um lugar ao sol seja na política seja em qualquer ramo de atividade.

 

A diferença entre esses sonhos é que Caiado, mesmo sem o RRF, ainda pode fazer um bom governo e somar à sua autoridade moral e biografia limpa o epíteto de gestor competente, enquanto Marconi, que caiu no fundo do poço e perdeu tudo, não tem muito o que esperar do futuro, nem mesmo um Regime de Recuperação Política  gerado pelo resgate da sua imagem em consequência de um eventual fracasso de Caiado no governo.