Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

23 jan

Oposição mira eleição para prefeito de Goiânia em busca de espaço para sobreviver e chegar a 2022 com chances de barrar a reeleição de Caiado ou evitar o outsider Vanderlan Cardoso em 2022

Os 3 principais partidos de oposição ao governo Ronaldo Caiado – PSDB, PP e o grupo que comanda o MDB – ensaiam uma articulação com vistas a conquistar a prefeitura de Goiânia no ano que vem e passar a desfrutar de um espaço operacional de importância que permita construir um projeto sólido para a eleição estadual de 2022.

 

O objetivo é barrar a reeleição de Ronaldo Caiado, por um lado, e evitar que o governo caia nas mãos de um outsider como o senador Vanderlan Cardoso, que não tem aliados na política e se transformou em uma espécie de força individual com repercussão popular suficiente para, de repente, vencer a disputa pelo Palácio das Esmeraldas e ampliar o isolamento das forças políticas do Estado iniciado com Caiado.

 

Líderes dos 3 partidos já conversam, mas quem mostra mais desenvoltura é o ex-ministro Alexandre Baldy, no momento secretário de Transportes do governador João Dória, de São Paulo. Lideranças velhas, como o ex-governador Marconi Perillo e o prefeito Iris Rezende, são classificadas dentro dessa concertação como entraves para a criação de um projeto viável para 2022, já que carregam interesses pessoais controversos e extremamente vinculados à necessidade de sobrevivência de cada um – Iris pela idade avançada e Marconi pelo passivo judicial. O ex-prefeito de Aparecida Maguito Vilela, ao contrário, é enxergado como um parceiro qualificado.

 

Deputados tucanos, o presidente estadual emedebista Daniel Vilela e principalmente Baldy estão se empenhando a fundo nessa conversa.