Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

29 jan

Nos dias finais do processo de escolha do novo presidente da Assembleia, deputados não atendem telefonemas de Marconi para evitar contaminação negativa

O bloco de deputados estaduais que articula uma candidatura alternativa à presidência da Assembleia, liquidando em definitivo as chances de eleição de Álvaro Guimarães, nome da preferência do governador Ronaldo Caiado, adotaram uma posição em comum: até o dia em que o plenário fará a escolha, ou seja, 1º de fevereiro, sexta-feira próxima, não atenderão mais a telefonemas do ex-governador Marconi Perillo.

 

Interessado em ajudar na produção da 1º derrota política do novo governador, Marconi está tentando articular os parlamentares com quem tem relacionamento – ou seja, quase todos – para que engrossem o grupo dos dissidentes e entreguem a direção da Assembleia a qualquer um, menos o preferido de Caiado. O problema é que esses deputados, que hoje podem passar de 24 e portanto formando maioria para eleger o novo presidente do Legislativo, também comungam com a ideia de que o tucano-mor de Goiás tem ingerência excessiva no Poder (ele e os ex-presidentes seus aliados) e precisa ser afastado para evitar que a articulação que estão conduzindo possa ser contaminada negativamente com a proximidade do ex-governador.

 

Após ser derrotado nas urnas (ficou em 5º lugar na disputa pelo Senado) e, na sequência, passar um dia preso pela Polícia Federal, Marconi deu a entender que se afastaria da política, mergulhando em suas atividades particulares em São Paulo, para onde se mudou oficialmente. Mas essa disposição, se é que existiu, durou pouco. Ele não resistiu ao seu forte instinto de animal político e retornou rapidamente aos contatos e manobras de bastidores em Goiás, o que aprofundou ao enxergar a chance de aplicar um golpe em Caiado com a eleição de um presidente da Assembleia com uma certa dose de independência e não de joelhos dobrados para o Palácio das Esmeraldas.

 

A avaliação dos deputados que operam para chegar a esse resultado é que a interferência de e Marconi é muito ruim e pode inclusive levar ao insucesso do movimento. Eles fizeram então uma combinação: não vão mais atender, até o desfecho do processo, aos insistentes telefonemas do ex-governador.