Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

10 fev

Todos os 5 diretores da Assembleia nomeados até agora ocuparam cargos nos governos de Marconi. Jayme Rincón pressiona Lissauer Vieira para que Eliane Pinheiro também seja incluída na lista

Todos os cinco diretores da Assembleia Legislativa nomeados até agora pelo presidente Lissauer Vieira desfrutaram de cargos nos governos de Marconi Perillo: Wesley Borges, diretor-geral, foi da Casa Civil; Marcos Ferreira, diretor administrativo, ocupou vários cargos e foi até coordenador do Vapt Vupt  Hyullei Machado, diretor financeiro, esteve na superintendência financeira da Agehab; Andé Ariza, diretor de planejamento, foi superintendente executivo da Secretaria de Cidadania; e Danin Jr. foi diretor do Grupo Executivo de Comunicação.

 

Uma das bandeiras do movimento de independência dos deputados estaduais que venceu a disputa pela presidência com Lissauer Vieira era exatamente “zerar” a Assembleia, isto é, livrá-la da da influência do ex-governador Marconi Perillo e de ex-presidentes aliados (todos tucanos), que controlavam diretorias, contratos e fatias expressivas dos cargos comissionados. Esse foi o ponto de partida da articulação que acabou derrotando Álvaro Guimarães,  candidato da preferência do governador Ronaldo Caiado, cujo nome sequer foi levado a plenário diante da força do grupo que elegeu Lissauer Vieira com maioria esmagadora de 37 votos.

 

A candidatura de Álvaro Guimarães começou a fazer água quando vazaram compromissos que ele estaria estabelecendo para a nomeação de ex-deputados tucanos para diretorias da Casa. Na época, foram mencionados  Francisco de Oliveira e Eliane Pinheiro, do PSDB, que perderam a eleição. Álvaro desmentiu imediatamente esses acordos, mas a sua postulação já tinha naufragado.

 

Segundo a coluna Giro, em O Popular, Eliane Pinheiro continua cogitada para uma das 13 a 15 diretorias da Assembleia (o número exato ninguém sabe). O principal defensor do nome dela é o ex-presidente da Agetop Jayme Rincón, que tem pressionado com insistentes telefonemas Lissauer Vieira pela nomeação – aliás, superando uma antiga divergência entre os dois, que remonta à eleição municipal de 2016, quando Rincón deu apoio ostensivo a Heuler Cruvinel para prefeito de Rio Verde, cargo que Lissauer também disputava (ele se considerou perseguido pelo então presidente da Agetop).

 

Atualização: no site da Assembleia, consta que o ex-deputado Luiz César Bueno, do PT, foi nomeado para a diretoria parlamentar. São, portanto, seis diretores já constituídos até agora.