Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

12 jun

Inferno judicial de Marconi continua se agravando, agora com uma denúncia de uso de aeronaves do Estado para fazer campanha… para o Senado, em 2006

O ex-governador Marconi Perillo poderia ter se transformado, hoje, no grande líder da oposição em Goiás, despertando a saudade dos goianos assustados com os desacertos do governador Ronaldo Caiado, mas isso não aconteceu. Ao contrário, Marconi chegou a um nível de deterioração política tão grande, depois de ter sido massacrado nas urnas do ano passado, e enfrentar até um dia de recolhimento à cadeia, que parece difícil acreditar que ele poderia ser beneficiário dos desgastes precoces de Caiado, ainda à procura de um rumo para a sua gestão.

 

O ex-governador tucano foi lançado em um inferno judicial. São quase duas dezenas de ações de improbidade, envolvendo valores estratosféricos, além de investigações criminais que seguem em andamento e podem inclusive, a qualquer momento, comprometer a sua liberdade de ir e vir. Nesta semana, mais uma. O promotor Fernando Krebs, ferrabrás maior do Ministério Público, ajuizou uma denúncia contra Marconi por ter se aproveitado de aviões do Estado na campanha para o Senado de 2006, que, a propósito, ganhou. Foi requerido um bloqueio de R$ 330 mil nas contas e no patrimônio do tucano-mor de Goiás, aliás detalhe insignificante dentro do cerco forense que ele sofre, em que até as meias e cuecas já foram penhoradas para garantir o ressarcimento dos cofres públicos, caso seja, algum dia, condenado.

 

Desde que perdeu as eleições, Marconi nunca teve uma semana de sossego. Na semana passada, teve as suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado. Esse tropeção é sério porque ameaça o seu futuro político, podendo resultar em declaração da sua inelegibilidade e impossibilidade de uma candidatura a deputado federal em 2022, a única chance que tem para retornar à cena política estadual depois de tantos infortúnios. O ex-governador é um caso raro, na história, de queda abrupta após uma trajetória de anos e anos de ascensão. Talvez o único e o mais expressivo.