Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

02 fev

Caiado está aprendendo o quanto é duro e difícil governar: ele promoveu e deu aumento aos soldados de 3ª classe da PM (que foi extinta), mas não há um só deles satisfeito e todos estão reclamando

Vida de governante é dura e difícil até quando, desenvolvendo a agenda positiva, distribui benesses e faz concessões. Vejam, leitora e leitor, o caso de Ronaldo Caiado, que prometeu na campanha eliminar do quadro da PM os soldados de 3ª classe, assumiu o governo e imediatamente cumpriu, mesmo às custas de aumentas as despesas e um Estado corroído por uma crise fiscal – mas o que fez foi aumentar a insatisfação dos beneficiados, que estão reclamando e acusando Caiado de não ter procedido exatamente dentro do compromisso que fez.

 

Simples: Caiado promoveu todos os soldados de 3ª classe para a 2ª classe, o que pressupõe obviamente que ainda há a 1ª classe, ou seja, que ainda são duas classes com salários diferentes. Este blog pesquisou as várias ocasiões em que o governador, na campanha e depois, inclusive no dia em que determinou a extinção da 3ª classe, e encontrou repetidas vezes o vocábulo “equiparação”. Isso mesmo, Caiado prometeu aos 2.661 soldados de 3ª classe que eles seriam “equiparados”, várias vezes detalhando que a existência de categorias na PM seria absurda e, portanto, passando a impressão cristalina de que que haveria, no seu governo, somente uma classe, única, e que todos os soldados estariam nela.

 

Não foi o que aconteceu. Vale lembrar mais uma vez: campanha é uma coisa, governo é outra. Para começo de conversa, Caiado, se fosse coerente com tudo o que fala, não assinaria nenhuma medida capaz de aumentar despesas, já que declarou Goiás em situação de calamidade financeira. Mesmo assim, ele resolveu atender a soldadesca, que vai passar de R$ 2.126  para R$ 5.766 mensais, um aumento espetacular de salário. Não, governador, disseram eles, inclusive inundando de reclamações os perfis de Caiado nas redes sociais, nós queremos é equiparação, ou seja, o salário do soldado de 1ª classe, que é de R$ 6.358 por mês. E estão certos: “equiparação” seria isso mesmo.

 

Caiado cumpriu a promessa que fez aos soldados? Na cabeça dele, deve pensar que sim. Mas os camaradas praças estão convictos de que foram traídos, mesmo ganhando a partir de agora mais do que o dobro do que ganhavam.