Informações, análises e comentários do jornalista
José Luiz Bittencourt sobre política, cultura e economia

04 jul

Caiado completa 6 meses de governo e 10 meses desde a eleição(5): conchavos, nomeação de parentes e enrolados em investigações e de um condenado à prisão mostram frouxidão moral

O Ronaldo Caiado que está governando Goiás desde 1º de janeiro último tem pouco a ver com o Ronaldo Caiado que, como deputado federal e senador, durante mais de 20 anos, foi um intransigente defensor da ética e da moral na política brasileira. Um, o de hoje, que preenche cargos importantes da sua equipe com nomes sem qualificação técnica apenas para satisfazer ao apetite de partidos que o apoiaram na campanha, é bem diferente daquele outro, de ontem, que bradava contra a “velha política” e gritava no Congresso contra as práticas patrimonialistas tanto no governo federal quanto no estadual.

 

Os “conchavos” que Caiado tanto condenou no passado são agora parte fundamental da administração pública em Goiás. O presidente da Agehab, por exemplo, é o ex-prefeito de Bela Vista Eurípedes do Carmo, que acumula a função com a de presidente regional do PSC, o que é proibido por uma lei federal. Para contorná-la, Caiado recorreu a uma firula: arrancou da Assembleia um dispositivo que autoriza a nomeação de dirigentes partidárias para estatais com até R$ 90 milhões de faturamento anual, caso da Agehab. Baseando-se na premissa de que Estados não podem revogar itens da legislação nacional, o Ministério Público não concordou e mandou ao Palácio das Esmeraldas um documento exigindo o desligamento de Eurípedes do Carmo.

 

Caiado ignorou. Assim como fez vistas grossas para os quatro processos por improbidade administrativa que o presidente da Agehab tem na Justiça estadual, um deles, pasmem, leitora e leitor, por suspeitas de corrupção na construção de casas populares em Bela Vista. E esse não é o único caso. Há outros auxiliares nomeados, mesmo denunciados por cometer irregularidades com o dinheiro público. Nada, porém, tão chocante quanto a indicação de um professor para o Conselho Estadual de Educação, que, envolvido em um esquema de desvio de diárias quando foi vereador em Crixás, foi condenado em 1ª instância a mais de 7 anos de prisão. Sim, um sentenciado está hoje sentado no mais importante órgão da Educação em Goiás, supervisionando a política de Caiado para o ensino em estadual (veja detalhes aqui).

 

A frouxidão moral do Caiado que hoje governa Goiás vai muito além. Parentes em cargos importantes tornaram-se rotina. A família de Caiado, junto com ele, assumiu o poder e está esparramada por toda parte. Há casos em que o Caiado marido está em um órgão (Agetop) e a mulher em outro (OVG). Mas a farra não se limita ao sobrenome mais ilustre da administração. O vice-governador também recebeu o seu quinhão. E igualmente os deputados estaduais e federais. Irmãos, filhos e filhas, cunhados e genros pululam na gestão de Caiado. A propósito, o presidente da Agehab Eurípedes do Carmo é um dos destaques da lista do nepotismo caiadista: é irmão do senador Luiz do Carmo.

 

É um governo de “conchavos”, portanto, os mesmos que Caiado denunciava na campanha, porém levados a um nível muito acima do registrado nos governos do MDB e do PSDB. É muita gente mamando nas tetas oficiais, para usar uma linguagem chula a que o próprio governador apelava com frequência… antigamente. Na realidade, dinheiro público sendo manipulado para atender a interesses pessoais e político-partidários. Algo que o Caiado de ontem denunciaria com dureza no Caiado de hoje.